sexta-feira, 30 de maio de 2008

"með suð í eyrum við spilum endalaust"

É o nome do 5.º álbum dos Sigur Ròs que ainda não se encontra à venda. Em inglês "With a buzz in our ears we play endlessly". Será comercializado na Europa a 23 de Junho, mas pode (pré-)encomendar-se já a partir da próxima semana, dia 2 de Junho.

Entretanto, já está disponível a primeira música do álbum, em formato mp3 e em video (Quicktime), denominada "Gobbledigook". Para ouvir aqui basta escrever o vosso e-mail e seleccionarem o país de origem.

Capa e conteúdos:



1. gobbledigook
2. inní mér syngur vitleysingur
3. góðan daginn
4. við spilum endalaust
5. festival
6. suð í eyrum
7. ára bátur
8. illgresi
9. fljótavík
10. straumnes
11. all alright

Mais, no site oficial.

quinta-feira, 29 de maio de 2008

Condicionamento industrial

Os mesmos que defendem a supremacia do mercado sobre o Estado, pediram ao mesmo Estado que combata o mercado.
Passo a explicar: parece que, confrontados com o aumento dos combustíveis refinados pela Galp, há agentes do mercado (gasolineiras) que começaram a ir comprar combustível no estrangeiro e vendê-lo em Portugal, a preços mais baixos.
As mesmas petrolíferas que, no estrangeiro, venderam os combustíveis às gasolineiras portuguesas (ou será que um posto de combustível espanhol venderá um camião cisterna de gasolina?...), vêm queixar-se de contrabando, ganhando assim duas vezes:
A primeira, no estrangeiro, quando vendem o combustível à gasolineira portuguesa;
A segunda, em Portugal, quando em resultado do previsível confisco do combustível, venderem o combustível oficial às gasolineiras...
Por fim, parece-me estranho que seja dada prioridade a este assunto, justamente porque os denunciantes beneficiam com a transacção ilegal, mas pronto, manda quem pode...

quarta-feira, 28 de maio de 2008

Publicidade (mais ou menos enganosa) em proveito próprio

Eu se fosse vocês, não perdia a "edição" de amanhã do Corta-fitas.

Os lucros da Galp

Diz o João Miranda, do Blasfémias:

Método socialista de lidar com os “lucros escandalosos” da GALP: organizar um
protesto contra a GALP sofrendo prejuízos e causando-lhe prejuízos.
Método capitalista de lidar com os “lucros escandalosos” da GALP: comprar acções da GALP patilhando os lucros.

Julgo que a tese dele tem dois problemas:
1- Os lucros escandalosos da Galp resultam da inoperância do mercado, uma vez que os liberais que o abriram (ao mercado), deixaram-na monopolista da refinação e dominante na distribuição. Por isso é que é mentira que a Galp seja “tomadora” de preço dos combustíveis. É-o “apenas” quanto à matéria prima.
2- Para comprar acções da Galp é preciso dinheiro. O problema é que o rendimento disponível das famílias, após as despesas essenciais, é cada vez menor: não se pode poupar nem investir o que não se tem.

A Teoria Pura do Direito de Hans Kelsen

Com os livros sou um pouco como com as pessoas de quem gosto. Algo possessivo e um tudo nada ciumento. Gosto de os mimar e tê-los por perto.

Há pouco, numa visita à FNAC para comprar um estranho manual de higiene e segurança no trabalho, de repente, sou surpreendido por uma lombada com um nome familiar. Não queria acreditar que passada mais de uma década a Almedina tinha enfim se dignado a reeditar a Teoria Pura do Direito kelseniana.

Com este verdadeiro monumento da filosofia jurídica, o insigne Hans Kelsen, cujos detractores (maxime os jusnaturalistas) à falta de mais e melhores argumentos acusaram de ser um dos ideólogos do famigerado Nacional-socialismo, elevou em definitivo o Direito à categoria de Ciência. Ali, Kelsen, purificou a Ciência do Direito de todos os elementos que lhe possam ser estranhos, afastando-o de outras ordens normativas como a Moral e extraindo da sua ontologia e axiologia esse Tudo que é o Nada (como Fernando Pessoa disse do Mito) que é a Justiça.

Li, estudei e reli vezes sem conta alguns fragmentos da Teoria Pura do Direito de Hans Kelsen. Mas nunca tinha tido o prazer de a ter - salvo seja - só para mim. Naturalmente, não resisti a esta feliz reedição ainda quente - tem dias nas livrarias.

Caso os apalermados juristas que nos governam, só para nomear estes, tivessem sequer tido um pequeno contacto com esta verdadeira bíblia do Positivismo Jurídico, por certo que os diplomas legislativos que regulam a nossa vida seriam - para não ir mais longe - claros, precisos e concisos como defendeu Motesquieu deverem ser as todas as Leis.

segunda-feira, 26 de maio de 2008

O novo treinador do Benfica e os Freitas Lobo desta vida…

...num post soberbo de José Marinho.
Uma das melhores análises sobre “um momento” do Benfica que já li por esta blogosfera fora.

CRONOS XXIV

"Where the streets have no name" - (1987) U2



Um hino da minha geração. E pensar que Brian Eno, produtor de The Joshua Tree, tentou apagá-la do álbum. A música é um hino à igualdade e à liberdade, até na sua história, pois corresponde à defesa de Bono de que as pessoas não deveriam ser identificadas, por credo ou classe social, dependendo da rua onde viviam. A rua era a metáfora de todas as desigualdades de oportunidades. Hoje, em Portugal, como vem comprovado no último relatório europeu sobre a situação social da UE, pode substituir-se a palavra "ruas" por "governos".

domingo, 25 de maio de 2008

E por falar em filhos da puta...

Morreu Manuel Marulanda Vélez, conhecido como Tirofijo (tiro certeiro, em tradução literal), o fundador e comandante das FARC.
E agora? Continuarão as FARC a assegurar uma barraquinha de "comes e bebes" na festa d'O Avante?...

Ferreira de Oliveira

Este é o homem que apenas não é o mais odiado do país, porque vai conseguindo manter-se na sombra na maior parte do tempo.
É quem diz que não sabia do aumento de combustíveis na Quinta-Feira ("erro técnico"...), mas que os aumentou no Sábado seguinte (se fosse verdade demitir-se-ia imediatamente).
É quem pretende fazer-nos crer que o elevado preço dos combustíveis em Portugal resulta dos impostos, e não da especulação da própria Galp.
É quem nunca diz que a Galp é responsável por 10 a 20 por cento do preço líquido em virtude de ser a monopolista da refinação em Portugal.
Aqui deixo a pergunta: o que queremos que a Galp seja? Uma empresa privada que, dominada por capital estrangeiro, tem tiques autoritários e monopolistas, dominando a refinação e a distribuição?
Ou apenas uma empresa privada de distribuição, com o capital estrangeiro que quiser, separada da refinação (que deve ser puramente pública) em suma, um "player" como outro qualquer?

sábado, 24 de maio de 2008

Ai o sistema...

Facto 1: o Belenenses foi vítima de falsificação do "passaporte desportivo", perpretada pela Federação Espanhola de Futebol, uma vez que esta não assinalou a passagem de Meyong pelo Levante, o que determinaria a impossibilidade de jogar pelo clube português.
Facto 2: Meyong jogou um jogo pelo Belenenses (salvo erro cerca de 15 minutos);
Facto 3: o Belenenses foi sancionado com a derrota nesse jogo (com a Naval 1.º de Maio) e com a perda de mais 3 pontos.
Facto 4: o FC Porto foi vítima da falsificação do passaporte civil de Leandro Lima, perpretada pelo próprio;
Facto 5: Leandro Lima jogou diversos jogos, que o Porto ganhou.
Facto 6: a Comissão Disciplinar da Liga arquivou o processo contra o Porto.
Facto 7: a Comissão Disciplinar da Liga aplicou uma suspensão de 3 meses contra Leandro Lima que, assim, não poderá alinhar em jogos oficiais pelo Porto até ao final de... Agosto, justamente no período em que o Porto não terá jogos oficiais...
Já perceberam por que razão o Porto não recorreu da perda de seis pontos por recorrer a prostitutas para comprar árbitros? O sistema só lhe poderia aplicar uma sanção, daí ter sido - em relação ao Belenenses - tão peremptório na decisão e tão prolixo na fundamentação...

60ft power

sexta-feira, 23 de maio de 2008

O rapaz

Flores fazem sempre falta num cemitério de treinadores

O Tio do rapaz

A Tia do rapaz

O Padrinho do rapaz

Refinarias públicas

Se as refinarias portuguesas voltassem às mãos do Estado seria possível baixar os preços dos combustíveis?
É que, monopólio por monopólio... se a Galp fosse apenas um dos agentes do mercado, o Ferreira de Oliveira escusava de andar a mentir-nos a todos (foi engano, diz ele...), com a mesma cara que nos diz que o petróleo venezuelano negociado pelo Estado terá o preço que o mercado (i.e. Ferreira de Oliveira e sus muchachos) decidir...

Inimputáveis

Como sabemos, os liberais são uma espécie de inimputáveis, porque a culpa dos problemas é sempre do Estado ou da lei, nem que seja da "lei da oferta e da procura":
Portugal é o país em que há mais desigualdade social? A culpa é da lei da oferta e da procura, que faz com que os "melhores" tenham de ser melhor remunerados para não emigrarem, e que os "piores" tenham de ser mal pagos porque são muitos e, trabalho, há pouco.
Os combustíveis portugueses são mais caros do que no resto da Europa? A culpa é do Estado, que aplica um imposto que sobrecarrega o preço, e do monopólio de refinarias nas mãos de um só agente, a Galp.
Como é óbvio, as razões para as desigualdades sociais e preços dos combustíveis em Portugal também passam por aquelas que acima descrevi. Mas não se esgotam aí. O mercado, dizem os liberais, está sempre acima do bem e do mal, porém, isso não passa de uma questão de fé:
para eles o mercado nunca tem culpa de nada.
Diz o secretário-geral da OPEP que o mercado está numa espiral de loucura especulativa.
O mercado está louco? O melhor é, desde já, declará-lo mesmo inimputável e metê-lo num colete de forças, para que não continue a fazer estragos...
Legenda: solução para o mercado

Franco quis invadir Portugal

E não é que Franco, no início da Segunda Guerra Mundial, quis invadir Portugal para consumar a unificação ibérica? Os planos do ditador (que declararia guerra à Inglaterra e aliar-se-ia à Alemanha e à Itália), apenas se goraram porque Hitler teve de deslocar tropas alemãs dos Pirinéus para a Jugoslávia, e queria ainda resolver a frente russa antes de invadir a Península Ibérica.
Ainda assim, Salazar não só colaborou com Hitler até aos limites do possível (quando o "Fuhrer" morreu houve três dias de luto em Portugal), como também não deixou nunca de apoiar Franco e o seu regime... um grande português sem dúvida...

quarta-feira, 21 de maio de 2008

Dizem que estes vão ser grandes em 2008 (XIV)

Beach House - "Master of None"


Batidas suaves, órgãos doces, guitarras melancólicas...
No fundo, no fundo, devemos estar todos mortos. Os Beach House são mais uma excelente surpresa da colheita musical deste ano. Depois diga que não foram avisados...

terça-feira, 20 de maio de 2008

Optimus Alive!08 - Parece impossível

O cartaz do Optimus Alive!08 não é bom nem é mau. Parece impossível.
Quem foi adolescente no Portugal dos anos 80 (e inicio dos 90), cresceu num universo analógico e num país distante. As grandes bandas, os grandes projectos, passavam sempre ao largo. E o novíssimo era coisa permanentemente desconhecida.
Hoje o país continua distante, aliás (embora não pareça) está cada vez mais distante, mas sabe aproveitar a “digitalização” do planeta. Certo é que tudo cá vem parar. E em doses massivas.
Vejamos…, apenas no dia de arranque do festival (10 de Julho), passarão pelos palcos do Passeio Marítimo de Algés, projectos tão estimulantes como Gogol Bordello, The Hives, MGMT, The National, Vampire Weekend e Cansei De Ser Sexy. Tudo, mas mesmo tudo num único dia. Perante tal cenário “levar” com Rage Against The Machine até vai enjoar. Mas há mais, muito mais, no próprio dia 10.
Parece impossível.

Birmânia 2007

Entre o céu e a terra, o hábito e o uniforme, as mãos e as pistolas, a liberdade e o poder, o passado e o presente, a tradição e a conservação, Birmânia (tiques de ocidental, prefiro-o a Myanmar) está a passar por aqueles grandes e decisivos momentos da história de uma nação.

Espero que o povo birmanês consiga a sua vitória e a derrota de um regime com mais de 40 anos de timocracia moderna (ditadura+fascismo militar). Se o homem não puder/quiser intervir (não vale aqui mais o uso da força?), a natureza interveio pelo homem, ainda que este também seja um aliado da destruição do seu semelhante.

Recordo aqui um dos momentos mais marcantes do ano passado para mim, onde a vida tudo vale e por nenhuma se morre: o assassinato do fotógrafo japonês Kenji Nagai, que mesmo depois de baleado continuou a batalhar, numa guerra que não é desigual no mundo moderno. Disparo contra disparo, ainda caído, Nagai continuou a disparar...com a arma mais imortal dos nossos dias. As suas balas ficam, as outras, não.



"9 crimes" - Damien Rice & Lisa Hannigan

Passas? No Gracías.

Sócrates deixou de fumar. Faz bem à saúde dele, mas faz mal à do país. É conhecido o mau feitio do primeiro-ministro, assim como é do conhecimento de todos que a abstinência de qualquer vício leva a um aumento dos níveis de ansiedade, iritabilidade e de desconcentração por via do estado frágil e inconstante da racionalidade. Assim, para quem tem tantas responsabilidades governativas, o país faz mal em apoiar o 'desvício' declarado de Sócrates. Os seus assessores e secretárias já devem estar a sofrer na pele, simultaneamente o impacto no país será crescente. Por isso, depois da estupefacção, foi com algum receio que recebi esta notícia pavlovliana do secretário-geral socialista. Para além de destruir a sua imagem de corajoso e de personalidade forte, apresenta-se curvado perante a realeza moderna do pseudo-povo mediático, que vai pouco para além do juízo de uns quantos líderes de jornais e de opinião. É mais um sinal da mentalidade retrógada e subserviente portuguesa face à moralidade apolítica da política. Por isso, já o disse, um partido de direita nunca terá lugar num Portugal democrático. Não é preciso. Está espalhado pela esquerda e por qualquer um que exerça o poder governamental. Vamos todos sofrer pela falta do vicío de Sócrates, acreditem. Mais uma vez, a sociedade coloca-se de pernas para o ar e o mundo corre-nos pelos olhos como se não fosse necessário o respectivo globo. Não acreditam? Recuem até Maio...de 1968!

Cem mil arcadianos

Já está. Custou mas foi.
Segundo o sitemeter (que por vezes adormece…), o ARCÁDIA atingiu ontem – com esta visita – os seus primeiros cem mil visitantes. Os números valem o que valem…., o que importa é o exercício de criatividade…, o que conta é o desenvolvimento das aptidões, mas…, o que é certo é que um blogue só faz sentido se tiver gente desse lado a lê-lo, comenta-lo e critica-lo.
Parabéns aos meus camaradas Nunos e muito obrigado a todos os que nos visitam.
Nota: Este aqui, o visitante cem mil deste blogue (veio de Faro e chegou até cá porque procurava um logo do Euro2008), acaba de ganhar esta nota de cem mil dongs vietnamitas ilustrada com a bela caraça do camarada Ho Chi Min - lagarto, lagarto, lagarto... Parabéns eh!
Só tem de enviar para o meu endereço de correio electrónico uma missiva que prove ser ele o visitante cem mil, assinada pelo pelo seu tetravó; assinatura devidamente reconhecida pelo notário.

segunda-feira, 19 de maio de 2008

É esta merda o capitão do Sport Lisboa e Benfica


"Nuno Gomes continuará a ser uma referência no plantel" disse ainda este sábado Rui Costa ao Expresso – uma entrevista que demora mais de uma hora a ler, exercício que recomendo para quem gosta de procurar o cúmulo do vácuo.
Quanto ao palhaço que podemos ver aos pulos na imagem, por mim, jamais vestiria (um minuto que fosse) o Manto Sagrado.

domingo, 18 de maio de 2008

O Arcádia feito pelos seus leitores

...ou ainda - e sempre, para sempre - Casablanca.
Do nosso amigo e leitor Gonçalo Macieira recebemos o seguinte comentário a este post:

Casablanca, envolto nas suas sombras e neblinas, opera uma rara magia em quem o vê – para além de imagem e som tem um sabor e um cheiro. Não são muitos os filmes que nos transportam tão completamente para outros lugares noutro tempo. A sua total encenação do real (quem não sentiu um arrepio quando soube que foi integralmente rodado num estúdio de Hollywood) cria uma ilusão tão envolvente que nos sentimos, mais do que meros espectadores, verdadeiros personagens em trânsito naquele universo. Não nos limitamos a ver o Rick’s Caffé, estamos lá, numa mesa a beber um copo ao lado de mulheres fatais, mais ou menos desesperadas, refugiados, nazis, polícias, mais ou menos corruptos, diplomatas e espiões. No fim, sentimos o frio da madrugada daquele aeroporto, e todos acabamos por partir para Lisboa com uma certa mágoa.
Quando estreou em Portugal foi retirado de cartaz após a estreia e reposto mais tarde, depois de passar pela censura, retirada que foi a cena em que a Marselhesa abafa o hino alemão (salvo erro era o hino alemão!). Conta-se que grande parte da assistência que assistiu à estreia, também, se levantou a entoar a Marselhesa.

Um grande abraço.

P.S - Já agora, deixo-te esta do recentemente falecido Pedro Bandeira Freire, do Quarteto, que é, de facto, uma expressão máxima de paixão pelo cinema - "Há bons filmes e maus filmes. Os bons são os melhores".


O Gonçalo é das poucas pessoas que tenho o prazer de conhecer que sabe ver cinema, sabe interpretar cinema e sabe saborear "o" cinema. Três razões mais dos que suficientes para escrever sobre cinema. E esta, como podem ler aqui, já não é a primeira vez que um comentário seu ascende à qualidade de post. Gonçalo, como por certo já te disseram varias vezes, esta casa arcadiana também é tua. Grande abraço.

Nota: na imagem Victor Laszlo (Paul Henreid) lidera "la resistance" na vitória da Marselhesa sobre o hino da Terceiro Reich no Rick’s Caffé. Como aponta o Gonçalo, talvez um dos momentos que mais catarse terá provocado na historia do cinema, com salas pejadas de gente livre a levantarem-se para entoarem o celebre hino gaulês. Longínquos tempos esses em que todos éramos franceses...

Amanhã não sabemos...

Hoje há Conquilhas no Sapo.

sexta-feira, 16 de maio de 2008

Há Liberdade (C)

tubecolors_por_wilson_alves_ribeiro
Tube Colors por Wilson Alves Ribeiro

Cem momentos livres!
É mais uma rubrica arcadiana que perfaz o seu centenário. O Há Liberdade é fundamentalmente feito de imagens (aparentemente) sem movimento. Por uma razão muito simples mas que nem sempre está ao dispor do comum dos mortais:
Cada ondulação é única; como cada maré, como cada surfada. Até cada onda é um momento irrepetível. Aqui única é única. Ou se sulca ou se admira ou padece perdida para sempre na areia de uma praia qualquer. Poderá até haver outros momentos parecidos, mas jamais iguais. Paradoxalmente o Há Liberdade mais não faz do que aprisionar perpetuamente momentos de pura liberdade.
No Há Liberdade, editado sem qualquer grelha criteriosa especial, aproveito ainda para dar a conhecer o “trabalho” de fotógrafos amadores ou simples curiosos daquela que é considerada como a oitava arte. Tal como não é necessário ser-se um Mike Stewart ou um Kelly Slater para deslizar na superfície líquida da cor do céu, necessário não é ser-se um Tim Mckenna ou Mickey Smith para cristalizar numa frame um singular momento do melhor que a vida tem para oferecer. É do olho desses entusiastas que este blogue se enche de espuma. Se nunca o fiz aproveito para fazer agora. Muito obrigado a todos por nos encherem a alma de sal.

É precisamente esse o meu medo “orelhas”

O Benfica conquistou ontem o título no Nacional de Andebol. Um troféu que nos escapava há dezoito anos. Consequência imediata? A direcção do clube, comandada pelo vendedor de pneus mais famoso do país, vai despedir Alekxander Donner, treinador campeão e muito provavelmente o maior vulto da modalidade em Portugal.

Cortar uma fita com eles

O Corta-fitas tem vindo a convidar diversos blogonautas para a ele se juntarem num post. O Pedro Correia teve a gentileza de me convidar. Entre outros por lá já passaram Rui Castro (link), Carlos Barbosa Oliveira (link), Rui Vasco Neto (link), Francisco José Viegas (link) e João Gonçalves (link). E muitos outros se anunciam.
É obviamente com lisonja e honra que aceito o convite. Tomando-o ainda como um presente antecipado de comemoração dos primeiros cem mil visitantes deste vosso ARCÁDIA. Presente esse que naturalmente compartilho com os meus demais companheiros arcadianos.

quarta-feira, 14 de maio de 2008

Essa é que é essa

Contra a assinatura do acordo petrolífero com a Venezuela

O Estado português negociou e amparou o negócio petrolífero com a Venezuela, metendo no nosso lado do acordo a Galp e empresas desconhecidas (porque não anunciadas) que pagarão o petróleo em géneros.
Em Caracas, perguntado sobre se este acordo poderia fazer baixar os preços dos combustíveis em Portugal, Ferreira de Oliveira disse apenas que "os preços são formados pelo mercado".
A luminárias apenas se esqueceu de dizer que não foi o mercado que negociou o acordo que lhe permitirá mais uns premiozinhos de desempenho, mas sim o contribuinte português...
Assim sendo, por que raio queremos o acordo?

O outro lado da história

Anda tudo histérico com os cigarros fumados por José Sócrates e Manuel Pinho a bordo de um avião.
Pois há um facto que desmonta essa cabala: tratava-se de um avião-casino, porque uns jogavam à sueca, outros vêm na viagem uma oportunidade de lhes sair a sorte na roleta.
Duvidam da natureza do avião? Perguntem ao António Nunes da ASAE, que ele não mente!

terça-feira, 13 de maio de 2008

Foi você que encontrou a nova Lei Orgânica da PJ? (III)

A história da nova Lei Orgânica da Polícia Judiciária – completamente documentada aqui – deixou o domínio da saga para passar a ser uma verdadeira novela…., à portuguesa.

Agora, Cavaco Silva, decidiu (e bem na minha nada modesta opinião) remeter o diploma para o Tribunal Constitucional, sujeitando-o a fiscalização preventiva da constitucionalidade. Porquê? Muito simples:
No diploma apresentado pelo Governo e votado favoravelmente na Assembleia da Republica (art. 22, n.º 2 e ss) é remetido para portaria, a ser aprovada futuramente pelos responsáveis das Finanças e da Justiça (sem necessidade de ir a Conselho de Ministros ou à Assembleia da República) a definição das competências, sede e área geográfica de intervenção das unidades territoriais, regionais e locais da PJ. Assim, o pedido do Presidente da Republica tem por fundamento uma eventual violação de reserva de lei ou de reserva de decreto regulamentar.

Mas há algo que não é dito na comunicação social. Esta Lei Orgânica que agora viaja até ao Tribunal Constitucional, maxime o preceito em causa, não é a mesma que saiu da Comissão Parlamentar de Assuntos Constitucionais há cerca de um mês atrás. Isto é, ao diploma saído da Comissão Parlamentar de Assuntos Constitucionais foram efectuadas alterações, nomeadamente esta que, dizemos desde já, viola claramente o Principio do Estado de Direito Democrático.

O que fica de tanta aparente trapalhada?
Sejamos claros: há aqui uma tentativa nada inocente de ganhar (mais) tempo, protelando a entrada em vigor de um diploma fundamental para a pacificação da investigação criminal em Portugal.
Renovo e reforço o meu espanto: Porque será que a blogosfera que tanto barulho faz por trapalhadas bem menores nunca pegou neste verdadeiro caso de polícia?

Quero, posso e mando

Sócrates e Pinho violaram proibição de fumar a bordo do voo de Lisboa para Caracas

Estes tiques fascizoides de Sócrates são deliciosos. Mais delicioso ainda é a forma subtil como o Primeiro-ministro inventa “fait divers” para distrair o foco do essencial. Um verdadeiro ás [num] país de labregos.

BOA SORTE!... Uma Bohemia e uns tremoços, sff!

Espero, profundamente, que o vermelho das camisolas não vos dê azar!

segunda-feira, 12 de maio de 2008

N MÚSICAS LIII

"I will follow you into the dark" - Death Cab for Cutie

domingo, 11 de maio de 2008

O último 10 (III)

Daqui a pouco lá estarei, no Estádio da Luz, a prestar a minha homenagem a um camarada benfiquista. Espero que possas continuar a tua carreira de sucesso ao serviço do nosso clube, e que contribuas para o Benfica recuperar a sua alma composta de genica e vitórias.
Rui, não espero menos de ti.
Eu sou benfiquista,
com muito orgulho,
com muito amor!

O último 10 (II)

Por muitas camisolas que vistas, esta será sempre tua.

O último 10

melocádias actualizado

Campo Contra Campo (CXVII)

Casablanca - 1943, *****

Perdi a conta às vezes que vi Casablanca. Mas nunca o tinha visto assim, como ontem, no escuro grandioso e perfeito de uma sala de cinema. E cada vez que vejo Casablanca, fico a gostar um pouco mais desta mítica obra do cinema.
Sobre Casablanca, há quem diga que a sua bibliografia ocupa o espaço de um livro inteiro. Como tal acho que não posso acrescentar nada mais. Ainda assim…

Para além de ver filmes grandiosos no seu habitat natural, ir à cinemateca traz ainda outros aconchegos ao espírito. Por exemplo, os filmes são sempre acompanhados por uma pequena nota explicativa. Mas como as palavras não se medem aos palmos, a leitura desse breves parágrafos (especialmente quando assinados por esse grande Mestre das artes, João Bénard da Costa) antes e após o visionamento do filme, para além de “formar” o espectador em “como bem ver cinema”, pode provocar tantas emoções como o próprio acto “de ver” o filme. Escreve assim desta vez o homem da “Casa Encantada”: Quem o vir [Casablanca] impassível ou já perdeu a alma, ou já perdeu o coração, ou já perdeu ambos. É ser humano de companhia a evitar cuidadosamente.
Como alguém por certo já terá dito, enquanto houver cinema haverá Casablanca. Felizes daqueles que podem dizer "we'll always have Paris".

sexta-feira, 9 de maio de 2008

si yo fuera maradona

A cidade e a região

Pinto da Costa anunciou que que a "luta" não será levada a cabo apenas no mundo do futebol, mas envolverá a cidade e a região. O costume, portanto... Sempre que se vê apertado, Pinto da Costa puxa da sua veia "Jaime Ramos"...
Coitada da mui nobre, sempre leal e invicta cidade do Porto, que anda sempre na boca de bandidos...

Confissão

O F.C.Porto não recorrerá da sanção de perda de seis pontos, confessando assim - em resultado da condenação por tentativa de corrupção - que é controlado por uma clique de bandidos.

PALETA DE PALAVRAS LXVIII

"A propósito do livro O Poder: Uma Nova Análise Social, de Bertrand Russell, George Orwell comenta: "descemos a um ponto tal que a reafirmação do óbvio é o primeiro dever dos homens inteligentes" (1939, p. 107). Que sem um ensino de qualidade não é possível existir investigação de qualidade é uma dessas verdades óbvias que infelizmente é hoje preciso defender, explicar e reafirmar. O desprezo pela excelência do ensino é grave nas universidades que lideram a investigação a nível mundial (Stuntz, 2006), mas é caricato nas universidades que em nada contribuem efectivamente para o avanço do conhecimento da humanidade."

Desidério Murcho
http://criticanarede.com/

Leite azedo IV

Manuela Ferreira Leite disse ontem, 8 de Maio de 2008, que ninguém sentiu no bolso a descida do IVA de 21 para 20 por cento.
O IVA descerá de 21 para 20 por cento em Julho.
Se fosse Alberto João a dar uma calinada destas toda a gente perguntaria se tinha sido depois de jantar...

Leite azedo III

Manuela Ferreira Leite quer proibir os "políticos" de prometer reduções de impostos.
Isso é uma censura a Durão Barroso, Primeiro Ministro do Governo em que Leite foi Ministra das Finanças?
Isso significa que Leite, que foi deputada e Ministra, acha que não é política?

Leite azedo II

Manuela Ferreira Leite afirmou ontem que a subida do IVA de 17 para 19 por cento (por si decidida enquanto ministra das Finanças) foi uma mera operação de contas, não estrutural, com o objectivo de evitar a aplicação de uma multa por parte da Comissão Europeia.
Disse depois que o processo da Comissão contra Portugal foi arquivado.
Apenas não disse por que razão, após o arquivamento do processo, o IVA se manteve em 19%...

Leite azedo

Manuela Ferreira Leite classificou o governo de Pedro Santana Lopes, na parte do combate ao défice, como um devaneio. Mas... devaneio de quem?
De Jorge Sampaio?
De Santana Lopes?
De Bagão Félix?

quinta-feira, 8 de maio de 2008

Lagartos falidos e caloteiros para a segunda divisão já!

Só FC Porto e Benfica têm os salários em dia

E já agora…, os outros todos que não pagam a tempo e horas também. Pelos menos esta é a única forma que eu encontro de no ano que vem jogarmos na Liga dos Campeões

E agora…, algo de verdadeiramente importante


Já agora, gostava de recordar este post..., ou de quando o “muito perto” pode durar cerca de dois anos.

quarta-feira, 7 de maio de 2008

Seis palavras

A blogosfera é pequena.
A Su desafiou a Tons de Azul que desafiou o Miguel que desafiou a Gotinha que desafiou a Rosa que, enfim, me desafiou a mim: seis palavras, soltas ou em jeito de frase, que de algum modo estivessem relacionadas comigo. Logo eu que não gosto nada de desafios…
E este não é um desafio qualquer. As palavras não são apenas palavras. Como diz o poema de Bernardo Pinto de Almeida, "as palavras são coisas, extremas, luminosas,(…) não sabemos sequer o poder das palavras".
Ao escolher as minhas seis palavras, lembrei-me de um poema de Sophia de Mello Breyner Andresen, sobejamente conhecido, mas que se relê com prazer idêntico ao renovado prazer que é dar o primeiro mergulho salgado de uma nova época balnear.

Recordar a Sophia foi também uma maneira de agradecer a simpática lembrança da Rosa. Provavelmente não "conheço" outra pessoa que goste assim tanto quanto eu do local puro onde o "grande juiz" (ainda para mais apaixonado) encontra a melhor coisa que podemos ter:

Aqui nesta praia onde
Não há nenhum vestígio de impureza,
Aqui onde há somente
Ondas tombando ininterruptamente,
Puro espaço e lúcida unidade,
Aqui o tempo apaixonadamente
Encontra a própria liberdade

E agora vem a parte difícil do desafio: regras.
Six Word Memoir Meme Rules:
1) Write your own six word memoir.
2) Post it on your blog and include a visual illustration if you’d like.
3) Link to the person that tagged you in your post, and to the original post if possible so we can track it as it travels across the blogosphere.
4) Tag at least five more blogs with links.
5) Don’t forget to leave a comment on the tagged blogs with an invitation to play.
6) Have fun.


E os nomeados são:
- A Sofia, que diz não ter pachorra para estes desafios, mas no fundo, no fundo é porque é uma betinha conservadora (ui…, que é desta que eu vou apanhar…) e não gosta de desafios nenhuns;

- O Pedro, que deve ter muito mais que fazer mas, como está em falta depois desta provocação e nos dá tanta palavra que odeia, está na hora de nos dizer quais as palavras que ama;

- O Jorge, que faz um blogue muito bom e tem pachorra para nos aturar diariamente;

- A Rita, que é nova nestas andanças blogosféricas ainda tem cara de miúda mas "anda nas hora das loucura";

- E, last but not the least, a Partícula, porque sim e porque gosto de "ouvi-la";

terça-feira, 6 de maio de 2008

Quem é Almeida Rodrigues

Pela primeira vez na sua história a Polícia Judiciaria contará com um Director Nacional que não transita de nenhuma das magistraturas.
Almeida Rodrigues é um homem “da casa”, que fez carreira na investigação criminal, e conhece bem as limitações com que diariamente se debatem os investigadores.
Almeida Rodrigues é ainda alguém com uma visão ampla da investigação criminal. Compreende, ou pelo menos compreendeu até hoje, que esta não se faz sem um apoio directo e efectivo de outras ciências forenses.
A nomeação de Almeida Rodrigues deverá ir ao encontro dos anseios do sindicato que representa a investigação criminal na Judiciária, podendo ser um passo determinante na pacificação de uma instituição que ultimamente tem sido canibalizada.

Novas de um apeadeiro chamado judite

Ministro da Justiça deve anunciar hoje sucessor de Alípio Ribeiro na PJ

Pobre Santana Lopes, que escolheu mal o dia para apresentar a sua candidatura a candidato. Na mira das notícias, está de novo a mui digníssima Polícia Judiciária. Voltaremos ao tema.

Actualização: Almeida Rodrigues, actual responsável da PJ de Coimbra, é o senhor que se segue.

A Política da Idade

E assim nos vão governando, seja quem for, aqui e acolá, nas diversas esferas jurídicas por onde nos encontramos diariamente. E assado, anda o frenesim da discussão da idade do candidato liberal Pedro Passos Coelho, com os seus 43 anos. É o nível da nossa política, da comunicação dela e de quem, por mais honesto que seja, se vê obrigado a suportá-la, talvez com a esperança - digo eu, ingenuamente - de mudar algo por dentro, acreditando na sua melhoria. O país europeu mais conservador de sempre tem um candidato conservador a primeiro-ministro com 41 anos! Alguém o critica por isso? Talvez um indicador do nosso conservadorismo-provinciano. Blair foi um dos mais novos primiro-ministros ingleses de sempre, alguém, universalmente, o criticou por isso? Zapatero, Aznar, blá, blá... É por estas e por outras que a direita liberal, direita liberal mesmo - não pseudo-direitas -, não vinga em Portugal, nem nunca vingará, pelo menos em democracia.
Outra questão é o curriculum vitae do candidato. Isso sim, deve ser falado e discutido. Qual o seu percurso? Que ideias defendeu e exprimiu? Que escritos se conhecem dele? Aqui reina outro conservadorismo: o do pudor. Há vergonha lusa em alguém afirmar-se que deseja ser primeiro-ministro (PM). Alguém no início da vida política deseja ser PM? (Quase) Todos. Alguém se atreve a comunicá-lo? Nenhum. Churchill, Bill Clinton, Blair, prepararam-se durante décadas e comunicaram-no, mas em Portugal manda a tradição de Salazar. "Se mais não houver quem melhor fará, modestamente farei o que de melhor há em mim" Pudor, provincianismo e vergonha. Tanto quanto aquela a que parece já tornar-se numa condição de vencer as eleições: a de se autodenominar não-político! Ou então (como fez o actual vencedor da "Câmara" de Londres - por sinal com 43 anos) com discurso e campanha anti-políticos ou anti-política! E o que é mais surpreendente, é que as pessoas gostam de ouvir e votam neles. Nesses políticos apolíticos! Não por serem novos políticos ou políticos novos, mas por serem anti-políticos, anti-candidatos, anti-sistema! Faz-me recordar aquela dádiva do ateu - que dá graças a Deus por não acreditar nele!
É a política da idade, estúpido! É a política da idade, sim, imberbe... E é se queres chegar à Idade da Política! O respeitinho é muito bonito. Antes da história, a pré-história. Não muito jovem, espero.

Banco Alimentar

Num ano em que tudo indica que os portugueses estão a perder poder de compra, a inflação cresce, o desemprego sobe, os combustíveis estão imparavelmente mais caros, assim como os bens alimentares em geral, os portugueses, como massa anónima de consumo, aumentaram a sua doação em cerca de 20% a 25% a uma "holding bancária alimentar" designada de Banco Alimentar. Porquê?!
Na minha opinião, juntam-se 3 factores indissociáveis: a confiança da instituição (e de quem a dirige), a oportunidade do local da doação e a vontade de dar uma "bofetada de luvas brancas" a quem o trata como farinha de amparo eleitoral. Mas aqui o povo não tem toda a razão, não obstante a maioria ter alguma. É que o povo é geneticamente amorfo, excepto quando lhe põem o saco na mão, o voto na mão ou, macho-latinamente, um carro na mão. Ah, e escusado será dizer que falta a bola na mão, mas depende da bola. Se for o jornal desportivo, sim, ou mesmo o famoso esférico. Se falarmos de responsabilidade, aí, há que passar a bola a outro. Enfim, espírito luso que, com a sua bondade anual e avulsa, na sua grande maioria, se penitencia num saco tão pesado quanto a sua consciência. Não é em todos, mas é para todos. A blogosfera é a aspirina moderna para tanta falta de intervenção cívica e responsabilidade social. Poucas palavras e máximo impacto. No sofá ou numa secretária, toma-se a dita cuja sem leituras de bula. Tal como os políticos ou os pedintes, já sabemos ao que vêm e compramos o que precisam, não é verdade?

segunda-feira, 5 de maio de 2008

A frase do dia

O capitalismo sem falência é como o cristianismo sem inferno Warren Buffett dixit.

sexta-feira, 2 de maio de 2008

quinta-feira, 1 de maio de 2008

S. Petersburgo no zénite. Munique no nadir

O (até há pouco tempo desconhecido) Zénite de S. Petersburgo aviou o Bayern de Munique por 4-0.
O futebol é lindo quando é vivido com paixão e organização: pese embora seja patrocinado nas camisolas pela Gazprom, o Zénite não tem jogadores propriamente caros, mas tem um treinador com a cabeça no sítio: Dick Advocaat.