quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

Abram a pestana

Estes são os meus mais sinceros votos para o ano que agora começa!
Em 2009 os portugueses terão uma enorme responsabilidade: vão ter de escolher, vão ter de votar. A culpa do mau governo não é (só) do Governo (aqui em sentido lato) mas sim de quem escolhe. Como já tenho escrito noutras ocasiões, a cultura a-liberal de deresponsabilização individual, filha de uma tradição Católica Apostólica Romana, impede os portugueses, de uma forma geral, de reconhecerem os seu próprios erros, deixando (sempre) para os "outros" a culpa das suas escolhas.
Em democracia os administrados escolhem a administração. Não queiram pois os meus amigos ser culpados da má administração, do mau governo, da hipocrisia, da trapalhada, da asneirada e, acima de tudo, da degradação da Liberdade.
Em 2009, os meus mais sinceros votos, a todos sem excepção, é que abram a pestana. Antes que seja tarde. E não venham com o estafado latim de que " não há alternativa". Nesta vida, há sempre alternativa. Só a morte nos impede de escolher.

Um bom 2009 de combate...

... contra a Ignorância, o Fanatismo e a Tirania!

Abanar a anca cinco minutos por dia nem sabe o bem que lhe fazia (XVIII)

Das bandas que fomos prometendo por aqui (link), vir a tornarem-se grandes durante o ano que termina, houve uma que transformou-se em mais grande que maior: planetária. De Lisboa a Brisbane, os MGMT, não pararam de tocar no meu rádio. E esta musica em particular, uma das favoritas das rádios australianas, foi uma banda sonora perfeita para os momentos de road trip que a recente viagem ao outro lado do mundo teve.
Este é ainda um vídeo perfeito para encerrar um ano blogosférico de muito post musical. Vejam porquê; volume ao alto que hoje é dia e noite d’anca abanar.

MGMT - "Kids"

Sobre o tempo que passa

Pacheco Pereira escreveu lá no seu diz que é uma espécie de blogue que "a blogosfera está cada vez pior". Ainda bem que o fez; pois se não o tivesse feito nunca teríamos lido este (link) post absolutamente extraordinário de Pedro Mexia.

Por falar em prosas absolutamente extraordinárias, leiam esta (link) do Miguel no Combustões sobre o Grande Juiz.

terça-feira, 30 de dezembro de 2008

Balancete

O Corta-fitas pede-nos um breve resumo da matéria dada em 2008. Com todo o prazer:

Figura Nacional do Ano: feliz ou infelizmente, Cristiano Ronaldo;

Figura Internacional do Ano: Henry Paulson;

Acontecimento Nacional do Ano: nenhum, nada, zero. Só quem anda muito distraído é que pode pensar que neste pântano à beira mar abandonado se passa algo de relevante;

Acontecimento Internacional do Ano: dois, a eleição norte americana e os Jogos Olímpicos na nova China. Ou melhor, três, a crise financeira e economica a nivel mundial.

Frase Nacional do Ano: Uma das mais belas pérolas do PREC, “O Povo é sereno”. Proferida pelo Almirante Pinheiro de Azevedo (aka Pinheiro maluco) no verão quente de 1975 do alto de uma varanda do Terreiro do Paço. Perfeitamente actual, desde esse dia, nada mais se disse por cá com relevo. “O Povo é sereno”, cada vez mais.

Frase Internacional do Ano. “Yes we can”, o slogan que levou Obama à vitória;

Melhor Blogue do Ano: na impossibilidade de eleger o Corta-fitas, E Deus Criou a Mulher.

Melhor Blogger do ano: como não posso escolher o Pedro Correia, voto no João Gonçalves.

A tradição é o que o Homem quiser, o Natal não

Afinal a Sofia é mais paciente do que eu julgava. Não só teve a paciência necessária para ler isto com atenção até ao fim, como ainda teve a paciência de me responder, resposta essa em que apenas hoje (ontem) reparei [shame on me].

Tal como tentei dizer aqui, penso que só existe uma razão valida - ou se quisermos num plano mais filosófico, um elemento teleológico ou um fim último - para as comemorações natalícias (assumam elas formas, ritos e tradições que assumirem): o Natal só é Natal se comemorarmos a natalidade.
Afirma-lo desta forma é mais do que um sinal de pragmatismo. É um sinal de realismo.

Em tudo o mais, faço jus à minha costela liberal. Ou seja, cada um comemora o que quiser, como bem quiser, na medida que quiser, na noite de 24 e dia 25 de Dezembro. Não venha é dizer que está a comemorar o Natal. Porque o Natal não é o que o Homem quiser nem quando o Homem quiser.

O Natal é o natal, no natal.

segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

O Trabalho e a Competitividade

Como os comunistas em 1989, há liberais financeiristas que ainda não repararam que outro muro caiu. Defendem que a competitividade se faz à conta dos trabalhadores atacando o chumbo do aumento do período experimental para trabalhadores indiferenciados para 6 meses e o horário de trabalho semanal para mais de 60 horas.
Percebe-se: como a realidade se encarregou de demonstrar que Hayek e Friedman são tão "úteis" como Louçã ou Cunhal, procuram a todo o custo empurrar as culpas para o falhanço do "neo-liberalismo" para cima dos trabalhadores, como os comunistas procuram distribuir culpas pela queda do Muro de Berlim.
A verdade é que tanto o chumbo do aumento do período experimental para trabalhadores indiferenciados para 6 meses, como do aumento do horário de trabalho semanal para mais de 60 horas, são sinais de que a economia pode de novo ser colocada ao serviço do Homem.
Sublinhando a superioridade na criação de riqueza do capitalismo temperado pelo socialismo democrático, ou social-democracia, termino citando o papa Paulo VI, na encíclica Populorum Progressio, de 1967:
Este liberalismo sem freio conduziu à ditadura denunciada com razão por Pio XI, como geradora do "imperialismo internacional do dinheiro". Nunca será demasiado reprovar tais abusos, lembrando mais uma vez, solenemente, que a economia está ao serviço do homem. Mas, se é verdade que um certo capitalismo foi a fonte de tantos sofrimentos, injustiças e lutas fratricidas com efeitos ainda duráveis, é contudo sem motivo que se atribuem à industrialização males que são devidos ao nefasto sistema que a acompanhava. Pelo contrário, é necessário reconhecer com toda a justiça o contributo insubstituível da organização do trabalho e do progresso industrial na obra do desenvolvimento.

Henrique Calisto Vs Carlos Queiroz

Ao invés do que o lado lunar do Ocidente proclama, não deve de haver povo mais imbecil neste nosso planeta do que os vietnamitas. Acho que já viajei um pouquinho e de todos os locais do mundo que visitei há um único sitio que não desejo nunca mais voltar: o Vietname. O país é belo, o clima aceitável; mas os vietnamitas são porcos, andrajosos, intrujas, aldrabões, gatunos. Numa palavra, mais de noventa milhões de filhos da puta.

Mas houve um português que os conseguiu fazer esquecer o seu egoísmo e exacerbado individualismo. Henrique Calisto, que para quem não sabe ou já se esqueceu por cá nunca passou de treinador medíocre de equipa esfarrapada da segunda divisão ou do fundo da tabela da primeira, consegui o aparentemente impossível. Conduzir a selecção nacional de futebol daquele patético país a uma vitoria numa competição internacional de futebol ao vencer ontem a Taça do Sudeste Asiático, qualquer coisa como "o europeu" daquela zona do globo.

Po cá, hoje, Carlos Queiroz faz, com uma entrevista, a primeira pagina do paquim nortenho "o Jogo". Na manchete escreve-se: "Batia-me menos se falasse com sotaque". Não é a primeira vez que este medíocre "retornado" tem "saídas" vagamente xenófobas. Queiroz, enquanto treinador principal de futebol (excluindo as vitorias no mundiais de juniores há cerca de 20 anos - num tempo em que o futebol mundial era substancialmente diferente), para além de nunca nada ter ganho, sempre viu os seus projectos resultarem em verdadeiros fracassos. Mas, como sempre, insiste em espalhar cortinas de fumo e culpar terceiros.

Em bom rigor, Portugal tem a liderar a sua equipa nacional de futebol quem merece. Ora…, já se viu, por exemplo, ter um português sério, competente, responsável, honesto, trabalhador, vencedor (mas sem ser "fashionable") como são casos de Henrique Calisto ou Manuel José, a liderar a selecção?
Obviamente que não.

Como estamos em tempo de votos aqui vão alguns: não tendo nada contra a pessoa Carlos Queiroz, desejo-lhe com sinceridade as piores derrotas profissionais possíveis, os maiores fracassos desportivos imagináveis. A ele e à equipa de jogo da bola que dirige.

Superdragões desde pequeninos...

«No Norte acontecem sempre coisas no último dia de aulas»
Margarida Moreira, Directora Regional de Educação do Norte, a propósito do caso da pistola de plástico na Escola do Cerco, no Porto

Quem vai à guerra dá e leva

A política internacional é coisa complicada:
A Autoridade Palestiniana declara o fim do cessar-fogo contra Israel.
A Autoridade Palestiniana passa a lançar diariamente ataques contra alvos civis em Israel.
Israel responde.
A culpa é de quem? Dos judeus... sempre dos judeus...

domingo, 28 de dezembro de 2008

Da ética

Há cerca de uma hora atrás a SIC-Notícias transmitiu um reportagem sobre o encerramento da Woollworths, uma das principais cadeias de distribuição do Reino Unido. No fim dessa reportagem, um economista qualque dizia que o melhor era mesmo deixar falir essa empresa com 27.000 trabalhadores porque assim surgiriam novas empresas mais capazes, revitalizando o mercado.
A cartilha de sempre, portanto: as falências só são boas se não forem de bancos...
Sobre esta ideologia que estabelece o primado do dinheiro sobre a vida humana, veja-se a crónica de Miguel Sousa Tavares no Expresso (roubada do Jumento):

«Há milhares de empresas, grandes, pequenas e gigantes, espalhadas por esse mundo fora, onde a gestão é bem feita, o trabalho é sério, a produção é de qualidade e a comercialização é adequada. E, todavia, estão à beira da falência, suspendendo a produção, fechando para férias não desejadas nem previstas ou suplicando a ajuda dos governos. E, porquê? Porque o mercado não quer os seus produtos, porque não são concorrenciais? Não, porque o mercado não tem dinheiro para comprar o que produzem. E não tem, porque as poupanças médias foram sorvidas, melhor dizendo, roubadas, pelo sector financeiro especulativo. Não há dinheiro na mão dos consumidores porque os Oliveira Costa, os Rendeiros, os Madoff deste mundo agarraram nas poupanças que lhes confiaram e desbarataram-nas de duas maneiras: ou aplicando-as em pura especulação, sem qualquer critério de prudência e boa gestão; ou, pura e simplesmente, roubando-as, em benefício próprio.

Bernard Madoff representa o ponto extremo do capitalismo de sarjeta tão caro ao espírito «laissez faire, laissez passer» que os liberais dos tempos modernos nos venderam como cartilha tão infalível quanto a do marxismo-leninismo. Ambas têm em comum a capacidade notável de conduzir as nações à ruína, em benefício de uma restrita elite: a da casta dos «play-makers» da alta finança ou a dos quadros do Partido. Nicolae Ceausescu, que chefiava uma nação comunista e miserável, vivia rodeado de mordomias só comparáveis às dos marajás da Índia imperial: mas era tido e louvado como um ‘revolucionário socialista’. Bernard Madoff, que simbolizava exemplarmente o sonho americano de vir do nada até ao infinito, era cativante, ‘moderno’, filantropo, sócio do Palm Beach Country Club, garantia de seriedade e profissionalismo: um génio da finança, que se dava ao luxo de não aceitar qualquer cliente para a sua ‘grande mentira’. Com uma diferença: Ceausescu só enganava quem se queria deixar enganar; Madoff enganou todos, ao longo de trinta anos, e, entre eles, os melhores bancos do planeta, a fina flor dos analistas financeiros e as autoridades de suposta vigilância dos mercados americanos. Ah, e outra diferença: Ceausescu acabou preso e executado; Madoff está em casa, de pulseira electrónica e rodeado de luxo. Dir-me-ão que Ceausescu foi responsável pela morte de milhares de pessoas e Madoff não. Até certo ponto: Madoff levou e levará milhares de pessoas ao desemprego, milhares de famílias à miséria, dezenas de organizações de beneficência ao fim, alguns, mais desesperados, ao suicídio. Estou como o dr. Mário Soares: terá de haver sangue. Mas, forçosamente, suor e, desejavelmente, lágrimas.

Isto não é apenas uma crise económica, nem o resultado das aventuras criminosas de algumas ovelhas tresmalhadas do rebanho. Isto é, sobretudo, o resultado de uma crise de valores — políticos, sim, mas também éticos. É o resultado de o Estado se ter demitido do seu papel de vigilância e controlo dos poderosos e de a sociedade se ter dispensado de questionar a origem dessas súbitas e espantosas fortunas que cresceram debaixo dos nossos pés. O dinheiro deixou de ser um ponto de chegada para passar a ser um ponto de partida. Dantes, era necessário justificar socialmente a origem do dinheiro e nem mesmo os novos-ricos legítimos eram bem aceites; hoje, é o dinheiro que, por si só, justifica tudo. Lembro-me de o meu pai me contar que, num julgamento onde participava, apareceu para testemunhar um senhor com um ar importantíssimo e cheio de si que, perguntado pela profissão, respondeu: — Capitalista! A sala rebentou numa gargalhada e o juiz interpelou-o: — Isso não é profissão... — Pode crer que é, sr. dr. juiz! — volveu o tipo, sempre seguro de si e da sua importância. Sem o saber, estava, contudo, apenas a antecipar o que viria a ser a regra banal dos tempos de hoje. Nesses tempos de então, o homem mais rico de Portugal, António Champalimaud, detestava que alguém se atrevesse a tratá-lo por ‘capitalista’ e definia-se sempre como um ‘industrial’ — palavra que, a seus olhos, tinha quase uma conotação marxista, de quem se impunha pelo seu trabalho, pelo seu talento, pela obra feita e pela riqueza criada. Hoje, um dos homens que integra a lista dos dez mais ricos de Portugal, entrevistado neste mesmo jornal há tempos, revelava com orgulho que não dava trabalho a mais do que meia dúzia de ‘colaboradores’. Era e é um mero especulador bolsista, aplicando a velha máxima marxista de que o dinheiro gera dinheiro e convencido de que é um génio da finança e da ‘gestão’. Espero que esteja agora afogado nos fundos Madoff ou em barris de petróleo comprados a 147 dólares o barril, enquanto nós e o país sofríamos com os preços inflacionados por estes abutres do sistema...

A crença de que a sociedade e o poder político se tinham desinteressado de questionar a origem das fortunas e a legitimidade dos negócios puramente especulativos levou a uma espécie de embriaguez moral, que corrompeu sem remissão excelentes quadros financeiros, extremosos chefes de família e devotos cristãos sem mácula. Quando leio que as administrações do BCP — esse «case study» da excelência bancária — criaram dezassete «off-shores», que, entre outras coisas pouco recomendáveis, poderão ter servido também para comprar anonimamente acções do próprio branco e assim fazer subir artificialmente as suas cotações (e, logo, fazer empolar os resultados do exercício e os prémios de gestão dos próprios administradores), apercebo-me de que isto, a confirmar-se, é a completa falta de vergonha. Eram os gestores a usarem o dinheiro do banco para, indirectamente, se enriquecerem a si próprios. Ou seja, roubarem o próprio banco que geriam. E ainda querem a prisão preventiva para quem assalta carros?

Vi há dias uma manifestação de desempregados do Norte, gente que viu ir à falência uma série de empresas que nem sequer lhes pagaram os salários até ao encerramento. Eram umas duas centenas de trabalhadores, em representação de cerca de 6000 que estão nestas condições e que reclamavam uma coisa muito simples: se há dinheiro do Estado para pagar os buracos dos bancos, por que não há dinheiro para lhes pagar a eles e depois ir executar as empresas? De facto, eles têm toda, absolutamente toda, a razão. Trata-se de 90 milhões de euros que lhes são devidos — em comparação com os mil milhões já injectados nessa vergonha do BPN ou os 450 milhões de aval (obviamente perdidos) nessa brincadeira do BPP. É indispensável que haja um mínimo de moralidade em toda esta escandaleira. É preciso que não sejam os contribuintes e os trabalhadores sem culpa alguma a pagar a factura dos crimes alheios, para que eles fiquem apenas menos ricos e impunes e possam, mais adiante, retomar o «business as usual» e voltar a reclamar os mesmos privilégios, atenções e louvores do costume. Por muito menos do que isto fizeram-se revoluções. » 

Morreu Samuel Huntington

A vida tem destas coisas: um gajo escreve um livro em que prevê o óbvio e toda a gente "importante" lhe diz que é tonto, que não é nada disso, que o seu pensamento é um erro.
Foi o que sucedeu com Huntington. Desprezado pelas "elites" bem-pensantes vê a História começar a dar-lhe razão. Morreu no dia 24 de Dezembro. Paz à sua alma.

quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

Do Natal

Já não passava o Natal em Lisboa entre família há dois anos. Tinha saudades e está a ser muito bom recuperar alguma da tradição inerente à quadra. Alguma.
Entre Festas, sonos trocados e ondas geladas mas bonitas na eterna Caparica, lá fui cogitando estas linhas. Porque desde há cerca de meia dúzia de anos para cá, para mim, o Natal, significa também o momento mais alto de reflexão sobre o Sublime, o Uno, o Valor, o Sagrado.

Só existe uma única razão para festejar o Natal.
Na falta de melhor, como qualquer dicionário apontará, Natal reporta a natalício, nascimento; sendo, mais concretamente, o dia em que se comemora o nascimento de Jesus Cristo. Sublinho: o dia em que se comemora o nascimento de Jesus Cristo.
Jesus Cristo não foi uma qualquer abstracção. Jesus Cristo, para além de um homem que nasceu, viveu e morreu, como qualquer Homem, é antes de Tudo o Mais uma figura histórica.

Só existe portanto uma única razão para festejar o Natal. Tudo o mais, "os sinos que tocam", a "fé na aurora", o papel que se rasga, o presente que não presta, o bacalhau, a rabanada, o arroz-doce, o peru, o borrego, o leitão, o Pêra-manca e o Cartuxa são cantigas. Como são cantigas as linhas que falam no espirito de/do Natal.
Por exemplo, no blogue de uma amiga, leio que ela não fez a arvore de natal mas que carrega consigo o espirito de natal. A "fé na aurora" e o espirito de natal são dimensões diferentes mas idênticas dos natais dos hospitais e dos natais da tertúlia cor de rosa da Fatima Lopes.
Confesso, aliás, que sempre que oiço a expressão espirito de natal fico um pouco aterrorizado. Lembro-me sempre de um tal de Savigny e dos seus discípulos defensores da ideia (nos alvores do século XIX) do direito alemão dever ser encontrado no espirito do Povo (o volksgeist). Esse direito fundado (e legitimado) no volksgeist deu no que deu por volta de 1914, já lá vão quase cem anos.

De facto, "os sinos que tocam", a "fé na aurora" e outras subjectividades/vulgaridades/banalidades como o comum espirito de Natal (sinceramente perdoem-me os meus queridos amigos cujas palavras cito aqui, recordem: estou apenas a tentar discutir ideias que me atormentam, nada mais) não passam daquilo que são porque são o que cada um muito bem entender. Logo Valem (repito Valem) zero.

Por exemplo. Das paletes de sms que receberam neste Natal, falou-se concerteza de sapatinho, Pai Natal, prendas, chaminé, esperança, reflexão e até de "putas e vinho verde".
Do menino-Deus, filho do Pai, o Salvador, nada, bola, zero.
De Jesus Cristo, nem sequer falo do profeta, apenas e só do Homem que nasceu, viveu e morreu como qualquer um de nós, que ensinou a quem quis aprender o que sabia (actividade essa tão nobre); de Jesus Cristo essa figura histórica impar, para muitos o verdadeiro fundador dos Direitos Humanos, pura e simplesmente ninguém fala. Abrenuncio, nem sequer uma pequena nota de rodapé o homem merece.

Não se trata sequer de uma questão de religiosidade, de Fé. Trata-se sim de uma simples questão de respeito. De educação.
A fé pode estar abalada, o Divino pode ter-se apagado completamente do nosso espirito, mas nunca, nunca poderemos olvidar a verdadeira (e única) razão que nos leva a cobrirmo-nos de abundância por estas horas que passam. Essa razão, a única razão, é simples e claramente objectiva: aleluia, Cristo, o Homem, nasceu, há qualquer coisa como dois mil e oito anos.

[...na imagem deste post exageradeamente grande que peço que leiam com paciência de chinês, surge a fantástica Natividade do grande Mestre Giotto]

quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

Feliz Natal

Na noite mais longa, a na aurora.
No breu mais escuro, a esperança na luz.
No frio mais gélido, a caridade que nos abrasa.
É isto o Natal!
Nuno Santos Silva

E a personalidade do ano para a Time é...

Parece que hoje "é" Natal - xuif, xuif…, já com acentos.
Já lá vamos. Ou não. Antes disso há que tirar partido das inúmeras vantagens do jet lag.
Para dizer, por exemplo, que Barack Obama foi eleito a Personalidade do Ano para a Time. Novidade ou supressa pelo anuncio? Zero, Obama, independentemente do resultado eleitoral de Novembro passado, seria sempre a Personalidade do Ano para qualquer pasquim nacional ou internacional que se preze.

Todavia, se é certo que ninguém lê a Time, certo é que ninguém deixa de passar os olhos na edição que faz uma espécie de balanço anual do Planeta. E desta vez, vale bem a pena, entre um sonho e uma filhós - que em bom rigor são a mesma coisa - olhar a Time com olhos de ver.
Por duas razões: primeiro, para ler a entrevista ao Presidente eleito; a Time tem razão quando diz que no passado novembro a América não elegeu um Presidente mas sim um icon. Um icon pop, digo eu. Cujo discurso se assemelha (cada vez mais!) à letra de uma musica da moda - ninguém sabe muito bem o que aquilo quer dizer, mas toda a gente bate o pé, abana a anca, "put our hands in the ar" e "say yehhh!" - yeahhhhh!


Dizia então eu, que vale a pena olhar para a Time por duas razões: segunda e determinante razão, até porque entre uma rabanada e um prato de arroz doce, quem têm vontade para ler muito?
A capa da Time que aqui se reproduz é um verdadeiro espanto. Nesta imagem digitalizada os pormenores esvaem-se. Por isso tentem pegar na revista.
Obama surge impressionantemente retractado algures entre um Messias (ah, afinal sempre é Natal), Martin Luther Kg. e John F. Kennedy; num registo gráfico claramente filho da arte de rua mas também da iconografia Marxista ou mesmo Nacional-Socialista.

É uma imagem mutante, explosiva. Poderosa, que atrai, seduz e induz. É ela própria uma das imagens do ano e merece alguma reflexão radical. Vai uma ajuda?
Quem será - ou quem virá a ser, ou no que se tornará - na sua verdadeira essência, Barack Obama?

terça-feira, 23 de dezembro de 2008

A todos um bom Natal

Get this widget | Track details | eSnips Social DNA

A todos um Bom Natal
Refrão
A todos um Bom Natal
A todos um Bom Natal
Que seja um Bom Natal, para todos vós
No Natal pela manhã
Ouvem-se os sinos tocar
E há uma grande alegria, no ar
Refrão
Nesta manhã de Natal
Há em todos os países
Muitos milhões de meninos, felizes
Refrão
Vão aos saltos pela casa
Descalças ou com chinelos
Procurar suas prendas, tão belas
Refrão
Depois há danças de roda
As crianças dão as mãos
No Natal todos se sentem, irmãos
Refrão
Se isto fosse verdade
Para todos os Meninos
Era bom ouvir os sinos tocar.

A arte de viajar

Quando este post for para o ar - cortesia do blogger - deverei eu estar no ar. Se entretanto algo correr mal poderei ainda ficar conhecido como o primeiro blogger luso a ter escrito um post postumo. Mas como uma das coisas boas das ferias e carregar as nossas baterias de esperanca e confianca no futuro, tudo deve estar tao bem como a vitoria do Benfica que ainda nao aconteceu quando escrevo estas linhas mas que ja devera ter acontecido quando este post vir a luz do ecran.

A Arte de Viajar de Alain Botton foi um dos livros que me acompanhou nesta viagem.
Entre tantas outras coisas, Botton, fala na poesia que Baudelaire encontrava nos locais de partida e chegada e nas telas que Hopper pintava nos comboios e nas estacoes de servico.
Tenho me esforcado, mas nao encontro viagem alguma em aeroportos, poesia muito menos: com esforco vejo o genio de Jaques Tati nos muitos reflexos que por ai pairam.
Viajar, desta vez, foi apanhar o barco para a encantada Lady Musgrave, ser guiado pelo Peter no autocarro 6x6 pela incrivel Fraser Island, correr as estradas de terra dos inospitos Barrigton Tops, no meu (pelo menos por vinte dias) Toyta Camry de muitos cavalos e milhares de centimetros cubicos.

Tenho pois esperanca e confianca no futuro. Num hipotetico futuro de teletransporte que nos poupe a ter de escrever posts assim, enquanto o aviao enche os depositos com muito, muito fuel.

segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

Ho Ho Hope...

Podia falar-vos das areias brancas da Gold Coast, dos peixes coloridos da Grande Barreira de Coral, das quentes aguas da pequena Town of 1770. Do azul-fumo da Blue Montains, da inexplicavel opera de Sydney, da boa onda de Byron Bay. Do charme de Noosa ou da espantosa surf culture que toda a Australia atravessa. Da pessima comida dos australianos, das pateticas leis que transformam fumadores em quase-criminosos e amantes de baco em fugidios bebados. Podia e talvez venha a falar. Destas e muitas outras, cores e emocoes em que esta viagem tem sido fertil.

Mas hoje, a partida de Brisbane para esta humida Singapura, aconteceu-me uma estupidamente divertida. Ora..., nao e todos os dias que por causa de uma mala um pouquito mais pesada (va la..., um pouco grande - era so o dobro do peso) somos discretamente perseguidos, desviados e convidados a fazer um teste de despistagem, desconfiando as autoridades da presenca de explosivos entre a nossa bagagem.

Quanto ao que importa - e como escrevia um destes dias um qualquer jornal australiano sobre a crise, ou o fim da mesma - ho, ho hope de para aquelas paisagens semi-virgens regressar brevemente.

[...e o Benfica, quando e que joga? - e os outros ja jogaram? - ;) ]

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

A propósito da disciplina de voto

Indisciplina democrática

Se as democracias sempre foram testadas pela reacção dos seus cidadãos, o mesmo se pode dizer dos parlamentos face ao comportamento dos seus deputados. Entre os ingleses, no berço da democracia parlamentar, é comum a percepção de que «In the House you can say what you like but you do as you are told». Esta descrição impopular do parlamento inglês foi, ultimamente, reforçada precisamente com um Governo trabalhista, através do recém-renunciado primeiro-ministro Tony Blair. A questão poderia colocar-se no domínio da democracia interna parlamentar, mas o que é intrigante é a disciplina de voto dos deputados ser, normalmente, tanto maior quanto a inclinação para a esquerda do espectro ideológico dos membros do parlamento. Um ponto que, com certeza, mereceria uma reflexão maior e mais profunda. Em Portugal, a apreciação popular não parece ser mais favorável, senão mesmo mais gravosa, porquanto a actividade e os problemas parlamentares culminam, grosso modo, ou na ignorância e indiferença da opinião pública em geral, e no esforço por vezes frustrante, mas glorificante, de alguns dos seus representantes. Apesar de tudo, a jovem instituição parlamentar democrática nacional não justifica a antonomásia e tal ambiente crescente prejudica, e muito, o debate político, a informação e responsabilização públicas e a função da expressão representativa dos portugueses, que, nos termos da nossa Constituição, segue o princípio do mandato não imperativo: os deputados representam todo o território nacional (artigo 152.º) e são livres no exercício do seu mandato (artigo 155.º). Mas se o princípio está no Direito, como se sabe, a Ciência Política trata de o colocar na ordem social devida, a ordem dos partidos políticos... na ordem dos grupos parlamentares. A completar esta “oposição” interdisciplinar, verifica-se a inexistência de facto (porque a Constituição permite) de círculos eleitorais uninominais, que nos comunica, e pretende convencer, uma razão legal justificativa do estado actual da liberdade de voto partidário-parlamentar em Portugal. Algo casuística, mas reveladora da sua natureza e significação. O processo de definição do voto do grupo parlamentar socialista sobre os Projectos de Lei 206/X (BE) e 218/X (PEV), consagrando o princípio da universalidade e da igualdade no direito do casamento, não engrandeceu o parlamento, o grupo parlamentar e o partido socialista. Assim foi no dia 10 de Outubro e assim será no dia em que ela surgir na próxima legislatura. Percebe-se a vontade maior subjacente à sua imposição de orientação de voto do grupo parlamentar, sobretudo num contexto de ano predecessor ao das eleições legislativas, mas, mesmo numa colisão da liberdade de voto parlamentar (sobre matérias não sufragadas popularmente) e os interesses estratégicos partidários (onde se encontra, é certo, o instrumento institucional de acesso à representação política), todavia, não se deveria dar prevalência a estes últimos. E não se trata de defender uma concepção liberal da representação política, que se traduz, no essencial, por uma incapacidade dos grupos parlamentares controlarem as posições individuais e o sufrágio legislativo dos respectivos deputados; nem tão pouco se advoga uma representação política típica do Estado de legalidade socialista, caracteristicamente anti-democrática, onde todos os deputados são tomados pela estrutura partidária como uma massa una, unívoca e indivisível. Tampouco, ainda, se defende um meio-termo, pois rejeita-se qualquer elemento jurídico ou fáctico pertencente a esta última concepção. Trata-se, na nossa opinião, de um grupo parlamentar garantir a democraticidade interna e ser arauto das liberdades políticas fundamentais do sistema político nacional, em nome, não dos seus interesses ou estratégias políticas de oportunidade, mas para cumprir com o desígnio nacional de um partido que, nos piores e nos melhores momentos democráticos, não cede os princípios constitucionais do estado democrático aos dogmas errantes do estado de partidos.


(Outubro 2008)

E têm documentos que o comprovam...

Cinco Bancos portugueses dizem que estão a fazer chegar o crédito às empresas.

O delírio de Cadilhe

Sim, é verdade:
As mesmas pessoas que elegeram o Conselho de Administração que prevaricou querem responsabilizar o Estado pela sua própria escolha.

quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

terça-feira, 16 de dezembro de 2008

Pão e Gasolina

A mesma Autoridade da Concorrência que acredita não haver distorção do mercado na fixação do preço dos combustíveis, acredita haver distorção na fixação do pão.
Para safar as petrolíferas (e refinadora) baseia-se na explicação dada por um professor qualquer, segundo o qual é normal que os preços subam mais depressa do que desçam quando há variação do preço da matéria prima. Que é como quem diz: é natural que os bandidos roubem: têm vontade de ter o que não têm.
No que respeita ao pão, a Autoridade da Concorrência entendeu que existia um cartel para fixação dos preços. Não explica na decisão os fundamentos para tal conclusão, nem demonstra em que se consubstancia o cartel.
Percebe-se porquê... percebe-se porquê... afinal a Associação dos Industriais de Panificação de Lisboa não é um destino tão apetecível como a APETRO...

Directiva dos tempos de trabalho

Na mesma época em que colapsa a credibilidade dos gurus financeiristas que defendem o primado da economia sobre a sociedade, não parece ser aceitável a desprotecção dos trabalhadores europeus consubstanciada na alteração da directiva dos tempos de trabalho...

domingo, 14 de dezembro de 2008

Precisa Detroit de ajuda?

«... em 1908, o consumo do modelo T da Ford (10,5 kilómetros por litro) era melhor que o de muitos modelos da Ford, General Motors e Chrysler fabricados em 2008.»
Thomas L. Friedman, New York Times (versão do El País)

Portas & Jerónimo

Ambos candidatos únicos nos seus partidos.
Ambos eleitos com mais de 90% dos votos.
Assim se vê a força do PP...

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

Nápoles em Lisboa

Ninguém está inocente na greve dos trabalhadores da recolha do lixo em Lisboa. Os sindicatos porque estão a tentar capitalizar ao máximo a época do ano. António Costa porque já se percebeu que entre o "estar a pensar" e o "já há um estudo que" a diferença é muito pouco.
Mas afinal, por que raio é que a recolha de lixo deveria ser privatizada? Por acaso António Costa entende que isso fará com que a recolha seja melhor? Porquê? É má?...

quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

60 anos

Atenas arde. Arderá só?

Quando as pessoas se sentem abandonadas pelos Governos,
quando vêem que os pobres não passam de estatísticas,
quando vêem que os ricos são pessoas e não estatísticas,
quando vêem que os trabalhadores são cada vez mais pobres,
quando vêem que se lhes quer tirar a dignidade subordinada ao deus ex machina da Economia,
quando vêem que não lhes resta mais nada a não ser lutar...
as pessoas lutam.
Basta que alguém acenda o rastilho.

Ainda os professores

Será que os 100 000 professores que se manifestaram em Lisboa contra:
  • A ministra da Educação, Maria de Lurdes Rodrigues;
  • Qualquer modelo de avaliação que sirva para avaliar o seu desempenho;
  • A carreira em dois níveis (professor e professor titular), ao invés de apenas um (no resto da função pública, a carreira superior é composta por Técnico Superior de Segunda Classe, Técnico Superior de Primeira Classe, Técnico Superior Principal, Assessor e Assessor Principal...);
  • As aulas de substituição; e
  • O modelo de gestão das escolas;
Estão a pensar em demitir-se da função pública, juntar-se e abrir uma escola privada onde escolham eles:
  • O presidente do conselho de administração;
  • O seu próprio modelo de avaliação;
  • A sua própria carreira;
  • O modo de suprimento das faltas dos colegas; e
  • O modelo de gestão da sua escola????

Humm... Parece-me que não... Nesse aspecto concordo com a malta do Blasfémias: trata-se de uma guerra entre dois grupos que vivem à conta do Orçamento de Estado...

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

Livre como um cao

Ja dizia o meu tetra avo romano: ubi commoda ibi incommoda.
Definitivamente, as viagens que dao mais trabalho sao as mais gratificantes e as que mais momentos inesqueciveis produzem.
Livre como um cao, a estrada conduziu-me de Sydney as Blue Mountains, dai a Hunter Valley, depois ao luxuriante Barrington Tops e de volta a costa ate a Reserva Natural de Broken Head paredes meias com a famosa Byron Bay.
Aqui, alguem entendeu melhor o significado do bodyboard para mim, quando como de caucao por uma prancha velha entreguei o meu cartao de socio do Benfica.
Meio metro perfeito e meio metro perfeito, aqui ou em qualquer lugar do globo. Tal como seis na pa sao seis na pa sejam dados ao cascalheira ou ao Man Utd

(estranha..., muito estranha esta sensacao de acordar e correr para a net para saber um resultado do Querido Clube.)

domingo, 7 de dezembro de 2008

No Funchal

  1. Funchal 1.0 Conselho Nacional da Associacao Nacional dos Jovens Advogados Portugueses, onde se discutiu o acesso a profissao e o inicio da carreira, e em que se voltou a manifestar ao Bastonario Marinho e Pinto a discordancia em relacao as medidas por esta aprovadas no que respeita aos jovens advogados
  2. Funchal 2.0 Quis o acaso que o meu hotel ficasse mesmo ao lado do Estadio dos Barreiros...
  3. Por que raio este teclado nao tem acentos...

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Banco "Privado" Português

O episódio Banco "Privado" Português apenas veio confirmar o fim do mito da seriedade dos banqueiros.
O problema é que a República está refém dessa gente: «se formos ao fundo levamo-vos connosco, por isso paguem o resgate». E nós pagamos.
Moral da história: parece que os únicos bancos cujo encerramento não é susceptível de causar contágio sistémico são os bancos das Urgências...

Se em vez do BPN e do B"P"P...

... fossem duas empresas têxteis, o empenho dos "economistas" do regime seria o mesmo? Ou a Teoria Económica só é válida para as PME?...

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

Porque hoje é 1 de Dezembro (3)

A um de Dezembro de 1640 terminava o domínio da dinastia Filipa em Portugal. Por todo o país, na Europa, na América, em África, na Ásia e na Oceania começaria a ser hasteada esta bandeira, símbolo da lusitanidade e do verdadeiro espírito português, impregnado do sangue templário.
Hino da Restauração - Banda da Marinha
Um hino (hoje quase esquecido) comemora esta data:

Hino da restauração

Porque hoje é 1 de Dezembro (2)

O 1.º de Dezembro de 1640 trouxe a Portugal um bem e um mal.
O bem: devolveu a Portugal a independência face ao centralismo leo-castelhano.
O mal: pôs definitivamente no trono a pior família portuguesa: os Braganças.

Porque hoje é 1 de Dezembro

A pretexto do 1.º de Dezembro, hoje no Público há uma óptima entrevista de Dom Duarte. Como é claro, não concordo com tudo o que ele diz: paradoxalmente as suas ideias são muito mais válidas quando não se reportam à dicotomia Monarquia/República.
Quando por exemplo diz:
Temos milhares de pessoas a viverem do Estado sem fazerem nada, temos 25 por cento de pobres.
Antes da revolução já tínhamos.
Em termos absolutos era pior.
Mas passaram-se 30 anos.
Em termos comparativos com o resto da Europa, estávamos melhor do que estamos hoje.
O atraso que temos é herdeiro do 25 de Abril?
É sobretudo herdeiro de 1910. Se o rei D. Carlos não tivesse sido assassinado, não teria havido a revolução republicana. A nossa monarquia teria evoluído democraticamente como as outras. A revolução de 1910 atrasou Portugal muitos anos, e teve como consequência a revolução do Estado Novo de 1926.
Como se vê, enquanto não for feito o luto por Dom Carlos, os monárquicos não irão a lado nenhum: o que se passou na primeira República não foi causa de atraso, foi sim consequência das constantes lutas entre monárquicos e republicanos, entre democratas e autoritaristas, etc. Confundir a crise social da primeira República com a própria primeira República é como confundir a Inquisição com a Monarquia: uma asneira.

Mais zonzo ainda...

Sao muito giras as primeiras impressoes australianas.
Paradoxalmente, ou talvez nao, Sydney lembra-me muito o Rio de Janeiro. Alias, ate ver, esta parece ser uma terra fique traquilo que no final tudo vai dar certo e se nao der certo e porque o final ainda nao chegou, em versao anglo-saxonica.
Havia muito mais para contar, mas enquanto ai os meus amigos estao a acordar eu vou para a hora de dormir - e logo num momento que nao vejo uma cama desde..., Lisboa.
Ah..., e o que verdadeiramente me traz a Rede e esta preocupacao.
Vamos Benfica!!!

domingo, 30 de novembro de 2008

Zonzo...

...ainda faltam uns pares de horas para o proximo voo e uns pares mais para o primeiro destino...
Cerca de vinte horas depois de sair de casa sinto-me zonzo.
Ainda ha pouco era de noite, ja e noite de novo e quem nao tem nada para fazer no aeroporto de Singapura aproveita a free internet, que esta autocracia liberal disponibiliza aos viajantes, para encher chouricos.

Mas mais zonzo ainda me sinto com esta frase, lida ha pouco, de Jose Manuel Fernandes no editotial do Publico de ontem
Desde Salazar que nenhum primeiro-ministro havia acumulado, formal ou informalmente, tanto poder como Socrates, e provavelmente desde Afonso Costa que nenhum tinha uma nocao tao instrumental do uso e abuso do poder.

Os muros

«O muro de Berlim ainda não caiu em Portugal», dizem os liberais, tudo porque o PCP volta a encenar um congresso democrático. É verdade, por vezes os comunistas parecem estar antes de Outubro de 1989, tornando-se por isso alvos fáceis da chacota política.
Mas também se poderia dizer que "o muro" financeirista ainda não caiu em Portugal: só por isso se compreende que - perante a capitulação do liberalismo financeiro - os friedmanistas e os hayekistas se recusam a compreender a derrocada de Wall Street...

sábado, 29 de novembro de 2008

Salvar o BPP para salvar a imagem do país?

O Governo decidiu salvar o BPP para proteger a imagem do país. É difícil entender isto sem conter uma náusea de revolta. É que o BPP é o banco onde os milionários portugueses lavam o seu dinheiro, ou - no mínimo - o põem a "salvo" das Finanças.
Mas pior do que isso é a constatação que serão os maiores bancos portugueses a injectar liquidez no BPP: é que os maiores bancos portugueses admitiram não terem a liquidez necessária para satisfazer as suas obrigações imediatas ao recorrer ao aval do Estado.
Significa isto que parte do aval disponibilizado pelo Estado servirá para os bancos portugueses "safarem" os milionários do BPP, repercutindo depois os custos dessa salvação nos "spreads" a ser pagos por todos os outros portugueses.
É o capitalismo à portuguesa: devorista e rentista.

Bombaim

O que se passou em Bombaim mostra que à civilização humana que os seus piores inimigos - a tirania, a o fanatismo e a intolerância - não lhe dão tréguas.
Não há muito mais para dizer para além disto: é por demais evidente que o terrorismo (que ataca civis em estações de metro, estações ferroviárias, em aviões, em hotéis, em hospitais, em templos, etc.) provém em geral da mesma área geográfica e da mesma (in)cultura.
O inimigo está encontrado devemos dar-lhe combate até à sua eliminação.

sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Vou ali aos antípodas e já volto (daqui a um mês)

"O mundo é um livro e aqueles que não viajam lêem apenas uma página". Santo Agostinho.

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

O nemátodo e o PRACE

Diz o Público que «peritos alertam que erradicação do nemátodo do pinheiro "já é impossível"». Ora, sabendo nós todos que:
  1. A ameaça do nemátodo já era anunciada há muito tempo (foi detectado na zona de Setúbal em 1999, mas a praga começou a tomar as proporções actuais em 2006),
  2. Que as autoridades públicas nada fizeram (além de proclamar intenções) para conter a praga;
  3. Essas autoridades dependem do Ministério da Agricultura, o que mais sofreu com o PRACE,
podemos concluir que estamos prestes a perder a maior mancha florestal portuguesa porque os serviços públicos que deveriam combater a praga do nemátodo ficaram sem funcionários?

Afinal o Zé fazia cá tanta falta como uma viola no enterro

...tal como o bloco.

terça-feira, 25 de novembro de 2008

A riscar é que a gente se entende

De lápis azul em riste.
Assim se apresenta o Risco Continuo (link). Nova casa de vários ex-corta-fiteiros, que trazem novos amigos para a bloga.
Bom regresso aos decanos; bem vindos os demais, pois “riscadores” destes nunca são demais.

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

É deixá-los falir

Mais uma vez as "elites" portuguesas manifestam a sua veia rentista e devorista, tão bem sintetizada no cliché dos dias hoje: privatizar lucros e socializar prejuízos.
Ora vejamos:
  1. A Banca estava a pagar taxas de juro cada vez mais altas quando se estava a financiar no estrangeiro, isto por causa da crise de confiança do sistema financeiro;
  2. Em consequência, os juros para os clientes finais estavam também a aumentar (a euribor);
  3. Com as intervenções salvíficas dos Estados, a crise de "confiança" arrefeceu;
  4. Assim, as taxas de juros entre os bancos (euribor) estão em queda, ou seja, os bancos estão a pagar menos pelos seus financiamentos;
  5. A existência de um aval do Estado Português, fará com que as taxas de juro a pagar pelos bancos que àquele recorram tenderão a baixar;
  6. Logo, além de a Euribor estar em queda, o apoio do Estado Português fará com que as taxas de juro pagas pelos bancos desçam;
  7. Assim, a vontade que a Banca portuguesa tem de repercutir nos seus clientes as comissões a pagar para aceder ao Aval, demonstra à saciedade o seguinte:
Salvamo-los (pagando uma vez) e saciamo-los (pagando uma segunda vez). Não seria melhor deixá-los falir?

Rápida crónica de um domingo perfeito.

Antigamente era assim...
Aos domingos de manhã, terminada a missa e a catequese, era tempo de invadir com o nosso chilrear as ruas do bairro. Depois era tempo de diversão à mesa com a família num lauto Cozido à Portuguesa como só a minha mãe sabe fazer. Depois, bem depois vinha a parte mais previsível do dia. Apanhava-se o 33 para a Luz e no final o Benfica ganhava. Ganhava sempre!
É verdade; era assim antigamente e antigamente é que era bom. Como ontem.

As brincadeiras de hoje são diferentes mas têm sempre de incluir o céu como telhado. O meu baptismo matutino nos trilhos da Serra de Sintra não foi bom nem foi mau, foi perfeito - está a tornar-se numa paixão assolapada esta brincadeira do BTT, e como todas as paixões suspeito que venha a sair cara. Como perfeito estava o Cozido da minha velha mãe. Depois, como o 33 não chega a Coimbra lá fomos na "carripana da vitória" até ao Centro. E o Benfica ganhou. De forma simples de forma pefeita, tal como fazia antigamente. E antigamente, recordo, é que era bom.

PS: Impressionante, repito, sublinho, impressionante "a resposta" dos adeptos benfiquistas em geral, e da Rapaziada do costume em particular, que tornaram a noite memorável. Como bem escreve o nosso amigo JG, depois de uma semana de tanta alarvidade escrita, e dita, aí têm a fabulosa resposta da bancada. Os líderes somos todos nós. E para um apoio tão numeroso e incansável não é preciso leis, nem dinheiro, nem armas.

Viva o Benfica!

domingo, 23 de novembro de 2008

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

...já este Rapaz durante muitos anos não teve Nome


…mas que dá uma trabalheira do caraças, ai isso dá.

Este não é um Rapaz Sem Nome...





...mas sim Conselheiro de Estado.
Será que a “Justiceira do Povo” também vai elaborar um “dossier” de centenas (milhares?) de páginas sobre este bandido?

Também eu sou adepto de futebol

Manipulada pelos diferentes poderes, a generalidade da comunicação social tem prestado um péssimo (mais um) serviço à verdade na ultra-mediática operação “Fair-play”. Mentiras, mentiras e mais mentiras que repetidas até à exaustação acabam por ser assimiladas pelo zé-povo como verdades insofismáveis.

A verdade é, regra geral, um processo demasiado complexo. Demasiado complexo para ser servido aos pategos que sorvem os “telejornais das oito”.

Qualquer vulgar adepto de futebol (leia-se aquele que nos dias de jogo acompanha a sua equipa do coração rodeado de país, filhos, netos, sobrinhos, tios e demais amigos) já sofreu na pele as consequências da sua vulgar condição.

Existe por ai um blogue, que não se cansa de divulgar as agruras que sofre qualquer adepto de futebol, e, felizmente, não se cansa: “Quanto a este blog, ele existirá enquanto os Adeptos de Futebol forem injustiçados e enquanto um bastão se erguer contra nós!” (o blogue em causa não precisa de publicidade – já é lido por quem tem de o fazer - por isso seguem as glosas sem link).

Como podem ler infra, no blogue em causa, hoja, uma vez mais, escrevem-se algumas verdades; daquelas que doem, que custam, que muitos tentam ignorar. E que não passam daquilo que são: verdades.

"Num País onde um Banco serviu de Banquete para políticos, ex-políticos e os amigos do costume, onde a Líder do principal partido da oposição diz que dava jeito viver seis meses em Ditadura para arrumar a casa. Num país onde se ignora uma apreensão de 3000 kg de haxixe (ontem) mas se dá mediatismo digno de Hollywood (ou será Bollywood?) a quem é preso com 15kg. Não há Jornalismo sério, independente e de investigação em Portugal. A prova está á vista mais um vez hoje na capa do “Jornal” 24 Horas."

terça-feira, 18 de novembro de 2008

Da Justiça à portuguesa

A Justiça portuguesa está de parabéns, em especial “Sua Santidade” O Ministério Público. Depois de anos e anos a batalhar eis que começam a surgir os primeiros resultados...

[Desde a morte de Francisco Sá Carneiro e do eterno mistério que a rodeia,
Ao desaparecimento de Madeleine McCann,
Ao caso Casa Pia
Do caso Portucale
Operação Furacão
Da compra dos submarinos
Às escutas ao primeiro-ministro
Do caso da Universidade Independente
Ao caso da Universidade Moderna
Do Futebol Clube do Porto
O Apito Dourado
Da corrupção dos árbitros
À corrupção dos autarcas
De Fátima Felgueiras
A Isaltino Morais
Da Bragaparques
Ao grande empresário Bibi
Das queixas tardias de Catalina Pestana
Às de João Cravinho
As alterações dos PDMs para beneficiar construtores.
As acusações feitas por Marinho Pinto bastonário da Ordem dos Advogados e que o MP prometeu investigar.
Dos doentes infectados por acidente e negligência com o vírus da sida?
Do miúdo electrocutado no semáforo
Do outro afogado num parque aquático?
Das crianças assassinadas na Madeira
Do mistério dos crimes imputados ao padre Frederico?
Do autarca alentejano queimado no seu carro e cuja cabeça foi roubada do Instituto de Medicina Legal?
A miúda desaparecida em Figueira?
Todas as crianças desaparecida antes delas, quem as procurou?
As famosas fotografias de Teresa Costa Macedo? Aquelas em que ela reconheceu imensa gente 'importante', jogadores de futebol, milionários, políticos, onde estão?
Os crimes de evasão fiscal de Artur Albarran
Os negócios escuros do grupo Carlyle do senhor Carlucci em Portugal, onde é que isso pára?
O mesmo grupo Carlyle onde labora o ex-ministro Martins da Cruz, apeado por causa de um pequeno crime sem importância, o da cunha para a sua filha.
E aquele médico do Hospital de Santa Maria, suspeito de ter assassinado doentes por negligência?
A distribuição aos amigos das casas da Câmara de Lisboa]


...no inicio deste ano foi condenada, pela primeira vez num tribunal português, uma pessoa por ter descarregado e disponibilizado música na internet de forma ilegal. A notícia, avançada pelo Jornal de Negócios, revela a sentença a que o indivíduo não identificado foi condenado: 90 dias de prisão ou 60 dias acrescidos de uma multa e um pedido de indemnização.

O pior Ministro das Finanças da UE



Não sou eu quem o afirma. Nem qualquer pasquim da nação. Mas sim aqui (link) o insuspeito Financial Times.
Vergonha? Nããã…, está tudo bem. Ultimo é o lugar em que todos os que habitam este pântano à beira plantado merecem.

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Tudo Bons Rapazes (II)

Os resultados falam por si. E não deixam duvidas sobre os propósitos da “operação Fair Play” e quem na verdade se deseja perseguir. Entre outras minudências, encontrou a Policia, cerca de uma dezena de quilos de haxixe e cerca de cem gramas de cocaína.
Um ano de investigação, dezenas de efectivos na mesma, centenas no dia da operação (um Domingo deve dar lugar a pagamento de “horas”), dezenas de escutas telefónicas, inumeros meios técnicos e tecnológicos, milhares de euros alocados do meu, do teu do nosso bolso, para resultados destes. De facto, temos uma Polícia de (in)Segurança Pública à medida do país medíocre que somos e da gente patética que o habita.
Daria para rir, caso o assunto não fose sério.
Ainda assim arrisco o sorriso; parece estar encontrado o móbil do crime: (…) ainda segundo as autoridades, a droga era utilizada para financiar as actividades dos "No Name Boys", nomeadamente para pagar os ingressos nos jogos de futebol e viagens.
Por mim, Rapaziada, estão mais do que perdoados dos vossos pecados.

Longa Vida aos No Name Boys!

Tudo Bons Rapazes

Eles querem ver tudo, filmar tudo, registar tudo, meter o bedelho em tudo. Assumem-se como o “quarto poder”. Eles são o verdadeiro “Grande Irmão” do século XXI. Estão em todo o lado, em qualquer beco ou viela, em qualquer frincha, sempre a gravar, para depois editar e mostrar e chorar que foram agredidos que levaram uns tabefes, que apanharam umas “pinguinhas”.
Hoje, à porta do TIC, os Rapazes Sem Nome só pecaram por falta de pontaria. E só se perderam aquelas que caíram no chão.
Deixem lá, não faltaram oportunidades.

Ah…, e com tudo isto parece que já ninguém quer saber da omeleta que as crianças fizeram com a ministra da educação, da “luta” dos professores, da crise económica e, até…, do Salvador Obama.

Longa Vida aos No Name Boys

Hoje Portugal assistiu a uma das suas páginas mais negras enquanto Estado de Direito Democrático. Pala calada da noite numa cobardolas operação policial, digna de um verdadeiro Estado Nacional-Fascista, foram feitas cerca de quarenta buscas domiciliárias e detidos cerca de trinta elemento de um grupo de adeptos de futebol. Essas pessoas estão neste momento detidas por terem em sua posse droga e tochas. Repito, trinta pessoas detidas por terem em suas casas droga e tochas.
Aparentemente, a operação da "Justiça" visava decapitar o grupo de adeptos do Sport Lisboa e Benfica conhecido por No Name Boys.
Ora os No Name Boys contam nas suas fileiras com mais de três mil elementos, nunca estando presentes na Luz menos de metade desses elementos (isto se olharmos apenas para aqueles que se juntam na sua "Curva"). Significa tal que apenas um por cento dos elementos daquele grupo de adeptos organizado incorre em actos que podem vir a ser tipificados como praticas criminosas.


Tudo isto é ao mesmo tempo fantástico e surreal. Num país em que devido à sua localização geográfica estratégica, estudos académicos e empíricos o apontam como verdadeira e real plataforma para o trafico de enormes quantidades de droga, armas, pessoas, crianças; num país em que parte da classe política é julgada nos Tribunais e na Rua por corrupção; num país onde essa mesma corrupção invade todos os domínios da vida política, desportiva, académica e social; num país onde os incendiários de florestas nunca são encontrados; num país em que a morte ao volante é um passatempo tão comum como jogar playstation; num país onde sair à noite é jogar roleta russa…, neste mesmo país, hoje, acordamos e ficámos a saber que trinta elementos de um grupo de mais de três mil usam drogas e tem tochas em suas casas.
Afinal, que raio de país é este onde me sento a escrever estas linhas, onde você está sentado a ler estas linhas?

Digo e repito todos os dias se necessário for: os No Name Boys são (de muito longe) os melhores adeptos do Glorioso Sport Lisboa e Benfica. São dos Bons, dos Velhos, dos Fieis, dos Apaixonados, dos Nossos. São do Benfica. E hoje, uma vez mais demonstram-no, mostrando que sem eles, durante os noventa e cinco minutos de um jogo de futebol na Luz, só apenas um, não seria idêntico ao ambiente de um velório.

"Justiça" escuta: Os No Name estão em Luta. Vai ser preciso muito mais para decapitar essa Rapaziada. Ah, e já agora velha "amiga" Justiça, tira a venda dos olhos sua parva. Pois assim nunca conseguiras ver nada de nada.

Longa Vida aos No Name Boys!

domingo, 16 de novembro de 2008

A (in)coerência de Cavaco

No episódio da suspensão do plenário da Assembleia Legislativa da Madeira, Cavaco disse que não se pronunciaria sobre o assunto porque estava mais preocupado com a crise económica, o desemprego, etc.
Na mesma semana, na sequência do episódio dos ovos sobre Maria de Lurdes Rodrigues, o mesmo Cavaco apelou à serenidade.
Cavaco demonstra assim o que demonstrou durante os 10 anos em que foi Primeiro Ministro:
protege os seus, mesmo contra o país.
Cavaco demonstra assim que, tendo sido pior primeiro-ministro que Santana Lopes (apesar dos milhões europeus), consegue ser pior presidente da República que Jorge Sampaio.
É obra!

sábado, 15 de novembro de 2008

Há Liberdade [(muito) especial]: manhã cilíndrica

Foi uma semana de manhãs cheias e intensas. Cheias de azul, de sol, de sal. Intensas de prazer(es), de emoção(ões). Mas como em tudo na vida, também no mar o tamanho nem sempre é "o" fundamental. Hoje, enquanto a esmagadora maioria da comunidade gritava a expressão excomungada ("flat!!!"), fiz-me à busca, à aventura, ao prazer. E como a sorte protege os audazes, os Deuses compensaram-me com quase duas horas das ondas mais perfeitas jamais por mim abraçadas. Foram longos minutos, eternos segundos, de solidão esfuziante. Pois, como os Antigos Clássicos tiveram o cuidado de nos legar, do abandono e da pequenez, por vezes, emerge a virtu. Mas, nem só aos Deuses presto a minha homenagem. Aos Homens, tantas vezes por mim maltratados, agradeço do fundo das minhas odiosas entranhas. Enquanto perdurarem na minha memória os ecos de tanto húmido prazer, jamais blasfemarei contra quem mandou reerguer das pedras, os areias das praias da Velha da Capa Rica.
[Na foto, um instantâneo dos novos parques de diversão à beira mar plantados]

sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Abanar a anca cinco minutos por dia nem sabe o bem que lhe fazia (XVII)

“Bem Bom”.
A versão de Rui Reininho da icónica musica das Doce que não pára de rodar na Radar, é, sem duvida, a cover do ano. “Às duas por três, quem sabe onde isto irá parar”. Contudo, nesta versão live com Sílvia Machete (quem?), as coisas não correm tão bem.

Rui Reininho & Silvia Machete - "Bem Bom"

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Os bancos e a liberdade

I believe that banking institutions are more dangerous to our liberties than standing armies. If the American people ever allow private banks to control the issue of their currency, first by inflation, then by deflation, the banks and corporations that will grow up around [the banks] will deprive the people of all property until their children wake-up homeless on the continent their fathers conquered. The issuing power should be taken from the banks and restored to the people, to whom it properly belongs.

Thomas Jefferson, Letter to the Secretary of the Treasury Albert Gallatin (1802)
3rd president of US (1743 - 1826)

Gemada

Mais uma. Hoje, em Chelas.
O povão, em uníssono (blogosfera incluída), levanta-se do chão (e dos teclados) e brame contra a criançada.
Confesso (a preto e branco é mesmo bom!): estou ao lado (e do lado) dos imberbes. No pantanal lodoso em que Portugal há muito se tornou, há muito que os homens perderam os tomates e as mulheres a vergonha. Sejamos pois, salvos pelas criancinhas.
Independentemente de terem ou não razão, de o vosso acto ser de uma enorme falta de educação e bom senso é algo verdadeiramente divertido. E rir é o que faz falta para animar a malta. Avante camaradas, ovos neles. Tiros também não era má ideia.

O Zé Diogo Quintela é gay

Não, o Zé Diogo Quintela (ZDQ) não é gay.
Mas já todos notaram a verdadeira paixão que o ZDQ tem pelos trejeitos e trapinhos femininos. No “Zé Carlos” chega a ser doentio. Sempre que é necessário arranjar uma saia para o décor, o bom do Zé Diogo lá coloca o dedinho no ar. E em episódio que não haja gaja para interpretar, não há problema, inventa-se uma “macacada” apaneleirada como no último “Zé Carlos”.
Não, o Zé Diogo Quintela (ZDQ) não é gay. Mas gostava muito de ser, porque gosta muito de sainhas, base, rímel, unhaca pintadinha. Assim, em jeito de agradecimento pelas gargalhadas que ele e os amigos nos oferecem semanalmente, Zé Diogo amigo, a malta aqui do ARCÁDIA faz-te a vontadinha e grita a plenos pulmões: O Zé Diogo Quintela é gay!
Feliz? Agora vê lá se te fazes um homenzinho, pá.

Eu escrevo, tu escreves, eles escrevem?

Leitura obrigatória para este extraordinário pedaço de prosa benfiquista: É este ano, é agora, sim.

terça-feira, 11 de novembro de 2008

Ultima Hora (II)

Depois do PC Magalhães e do carro Vasco da Gama, Sócrates acaba de apresentar o tractor Cabral, Pedro Álvares de Cabral.

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Há Liberdade (CXII)

Ph: Mickey Smith

Um azar nunca vem só

Chego a casa vindo do Estádio da Luz, após a derrota do Benfica com os turcos.
A minha mulher estava na garagem com a assistência do ACP, porque ela resolveu abastecer de gasolina sem chumbo 95 a nossa carrinha Ford a diesel...

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Mais um post a preto e branco*

Afinal Obama venceu mas persistem fortes sinais de que as pragas de gente estúpida não acabaram (link).
Note-se neste exemplar: como bem notou Pedro Correia (de volta a tempo inteiro e com a mesma inteligência de sempre), depois de ter dito que a blogosfera é um submundo, António Costa, decidiu, por umas horas, gatafunhar (link) nela.
Há com cada palhaçito. E governam-nos.

* NCR: estou fortemente tentado a criar uma rubrica com o epíteto ;)

Utilidades fúteis

Precisa de saber que horas são em Brisbane, ou sem Samara, ou em Wakekeai, ou em Kwajalenns, ou em Yap, ou em Bujumbura ou, vá lá, no Porto?
Então a Hora do Mundo (link) é o sítio que procura. Guarde, pode ser que venha a dar jeito.

N PUBLICIDADE XVII

Sigur Rós - Deluxe Edition DVD Trailer

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Ultima hora

Depois do computador Magalhães, "o primeiro grande computador ibero-americano” (é favor não esquecer), o governo Sócrates prepara-se para lançar o carro Vasco da Gama.



terça-feira, 4 de novembro de 2008

N MÚSICAS LIX

Sophie Michalitsianos (Sol Seppy)- "I Am Snow"


A perfeição das coisas, a final, não exige saber ou génio, mas sim suor e olheiras. É tão simples e possível essa perfeição, quanto difícil é de a encontrar. A música está dentro dela. Depois de ouvirmos uma que adoramos, durante momentos sucessivos e incessantes e de a assimilarmos com serenidade, reduz-se a poucas notas ordenadas e a raras notas alinhadas, no tempo perfeito.

Sol Seppy - "Human"

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Estou tão contente

Aleluia, aleluia. Chegou, enfim, o dia.
Deus Nosso Senhor Jesus Cristo, Filho de Deus, vai descer à terra.
Aliás, ele já está entre nós. Há muito que está entre nós. Das revistas femininas aos blogues da "sarfada". Do empregado da tasca ao Primeiro-ministro. Tudo, todos, por todo o lado.
Ele ai vem, Obama o Salvador.
Depois de amanhã, Paz na Terra aos Homens de boa e má vontade.
Depois de amanhã, todos vamos ficar saudáveis, felizes, ricos, apaixonados. A abundância vai reinar. Não mais haverá guerra, nem fome, nem inveja, nem miséria, nem títulos para aquele clube de futebol regional lá das berças.
Depois de amanhã, não mais haverá árbitros corruptos, bancos a falir, terramotos, sei lá tsunamis até. A Bolsa subirá para sempre. Até à Lua. Não, até ao Sétimo Céu.
Ah, acabará poluição, o aquecimento global, a subida das águas, os fogos devastadores, as pragas de gafanhotos e de gente estúpida.
O Benfica não mais deixará de ser Campeão. O Campeão.
Obama o Salvador. Tu és Rei!
Foda-se que felicidade do caraças, estamos Salvos!

sábado, 1 de novembro de 2008

Elisa Ferreira e o Porto

Elisa Ferreira disse ontem que a sua candidatura à Presidência da Câmara Municipal do Porto depende da definição de qual o papel do Porto no "norte", e qual o papel do "norte" no país.
Infeliz!
Em vez de defender um papel nacional para o Porto (de que o país todo tanto precisa), Elisa Ferreira acoita-se na retórica futeboleira e mafiosa do "norte".
Sempre que o Porto foi nacional foi grande. Sempre que quis ser apenas o sacristão da paróquia, nunca passou da fruta...
Pena que Elisa Ferreira não perceba nem queira perceber isso.

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

O Salário Mínimo (3)

Os integristas liberais, para se manterem coerentes na sua linha de pensamento, além da extinção do salário mínimo (a questão do aumento do mesmo é para eles um epifenómeno), defenderão concerteza:
  1. A abolição da idade mínima para trabalhar (o trabalho infantil);
  2. A abolição do horário de trabalho (se os chineses dormem na fábrica, para sermos competitivos, também temos de o fazer); e,
  3. A abolição dos subsídios de férias e de Natal (normalmente os integristas liberais dizem que o empregador paga um salário anual, dividido por 14 , pelo que vai dar ao mesmo. Já o Henrique Raposo, no Expresso, manifestou-se contra a próprio conceito de férias...);
  4. A qualificação do trabalho e do trabalhador como utility e commodity (ou seja, a servidão)...

O Salário Mínimo (2)

Espero que Augusto Morais, presidente da associação das PME, promova a publicação no respectivo site da lista das empresas que não renovem os contratos dos trabalhadores com salário mínimo. Só para saber quais os produtos que não comprarei.

O Salário Mínimo

Os liberais dizem que o salário mínimo causa desemprego.
Não sei se têm ou não razão (até porque esse axioma é mais um postulado de fé que uma constatação de factos), mas sei o seguinte:
são os mesmos que dizem que o mercado financeiro desregulado é promotor de riqueza...

Vamos assinar esta petição - um dever cívico!

«EXMO. SR. PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA
Web site: http://cidadanialx.blogspot.com

A ampliação da capacidade do terminal de contentores de Alcântara que o Governo inoportunamente se propõe levar por diante implicará a criação de uma muralha com cerca de 1,5 quilómetros com 12 a 15 metros de altura entre a Cidade de Lisboa e o Rio Tejo.

A zona de Alcântara estará sujeita a obras durante um período previsto de 6 anos, impossibilitando assim a população de aceder ao rio pelas “Docas”, levando ao fecho de toda a actividade lúdica desta zona, pondo em risco 700 postos de trabalho.

Os terminais de contentores existentes nos portos de Portugal no final de 2006 tinham o dobro da capacidade necessária para satisfazer a procura do mercado.

O Tribunal de Contas em relatório de Setembro de 2007 sublinhava que a Administração do Porto de Lisboa (APL) é líder no movimento de carga contentorizada em Portugal, e apresenta desafogadas capacidades instaladas e disponíveis, para fazer face a eventuais crescimentos do movimento de contentores.

A prorrogação da concessão do terminal de contentores de Alcântara até 2042 que o Governo pretende concretizar com o Decreto-Lei n.º 188/2008, de 23 de Setembro, e que prevê a triplicação da sua capacidade afigura-se assim completamente incompreensível, desnecessária, e inaceitável para mais sem concurso público.

Apesar da lei prever 30 anos para a duração máxima das concessões, com esta prorrogação a duração desta concessão será na prática, de 57 anos, o que, tal como o Tribunal de Contas sublinha, impede os benefícios da livre concorrência por encerrar o mercado por períodos de tempo excessivamente longos.

Com esta decisão do Governo perde a Cidade de Lisboa, perdem os cofres públicos, perde o sistema portuário nacional, no fundo perdem os portugueses.

Em face do exposto, os abaixo-assinados vêm pelo presente meio solicitar à Assembleia da República que sejam tomadas as medidas necessárias para impedir este atentado estético e económico contra o País, contra Lisboa e contra os seus cidadãos, revogando o DL n.º 188/2008, de 23 de Setembro.

Lisboa 27 de Outubro de 2008»

Proposta: listar, através de uma org. civil, quem comprovadamente abusou do poder e dos dinheiros públicos. Para memória futura...e prevenção

"Uma história típica-26.10.2008, PUBLICO -Vasco Pulido Valente

A Câmara de Lisboa tem uma empresa, a Gebalis, altamente deficitária, como qualquer empresa pública que se preza, encarregada de administrar os bairros sociais. Várias criaturas, que passaram pela direcção da Gebalis até 2007, foram agora acusadas pelo Ministério Público de peculato e gestão danosa. De que se trata? Alegadamente, um pequeno grupo de três "gestores" (como hoje se diz) gastou em poucos meses 64.000 euros da empresa em 620 "refeições" (calculo que em restaurantes que se recomendam) e nunca deu gorjetas de menos de 20 euros. Suponho que, a ser verdade a história, os gestores da Gebalis presumiram que a sua importância burocrática e política e mesmo, em última análise, a dignidade do Estado exigia esta despesa e esta pompa.
Mas parece que isto não bastava. A sra. dra. Clara Costa, vogal da direcção, andou, supostamente, à custa do contribuinte por Cracóvia, Belfast, Dublin, Marraquexe, Viena e Sevilha. Estas viagens, em que segundo o Ministério Público se fazia acompanhar pelo seu "namorado", custaram à Gebalis 34.000 euros. Como era de esperar, a sra. dra. Clara Costa não vê nada de impróprio neste arranjo. Nem na pequena quantia de 11.530 euros, que empregou, também ela, em "refeições", compatíveis com o seu estatuto. O Expresso declarou isto "falta de vergonha". Peço licença para não concordar. Se o Ministério Público tem razão, a dra. Clara Costa usou o Estado como milhares de outros funcionários, de que ninguém fala e com que ninguém se escandaliza.
Existem na Gebalis - cuja função, convém repetir, é administrar bairros sociais - cinco pelouros: de relações internacionais, de recursos humanos, de sistemas de informação, de comunicação e, compreensivelmente, um pelouro jurídico. Esta exuberância burocrática abre oportunidade a tudo: de "viagens de estudo" a Marraquexe a festejos na marisqueira Sete Mares. Principalmente, quando se dá a cada vogal da direcção um cartão de crédito da empresa. A Gebalis já esqueceu com certeza o fim para que foi criada. Como o resto da máquina do Estado, vive para justificar os seus pelouros, por inúteis que sejam, e anichar os "companheiros" do partido. E, quando chegam, os "companheiros do partido" querem muito humanamente tirar o ventre de misérias: ir a Marraquexe e à marisqueira - o ideal da classe média que a "democracia" lhe prometeu. Para alguma coisa "apoiaram" o sr. X ou sr. Y. "

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Os cantos reais de uma nação



Há algum tempo que desconfio que Obama terá o mesmo destino que os irmãos Kennedy. Na América, dinheiro e raça são duas das maiores causas prováveis de homicídio. Quando se juntam, são certezas detonadas. Esperemos que não.

VIII Seminário do Grupo de Gestão Pública da SEDES




O Procurador-Geral da Republica, Dr. Pinto Monteiro, será o orador principal do VIII Seminário do Grupo de Gestão Pública da SEDES, subordinado ao tema:

«Ministério Público: A função e os desafios de "Advogado da Comunidade"»

O evento tera lugar hoje, dia 29 de Outubro (4ª. feira) pelas 21h30, no Hotel Marquês de Pombal (esquina da Av. da Liberdade com a Rua Alexandre Herculano).

terça-feira, 28 de outubro de 2008

Abanar a anca cinco minutos por dia nem sabe o bem que lhe fazia (XVI)

Já vos tinha dito que hoje é noite de CSS?

Cansei de Ser Sexy - "Acho Um Pouco Bom" (live@lux.lx.pt)


Há cerca de ano e meio foi assim (link) no acanhado, quente e muito intimista Lux. Como será hoje no clássico Coliseu?

Querias, não?

Via WAT (link) chego a este “programa” a não perder (não fora noite de CSS no Coliseu...).

domingo, 26 de outubro de 2008

N MÚSICAS LVIII

Outro para a Manushe Blacksmith Milk!

Para todos os pais que o querem ser...



A história aqui.

CRONOS XXVIII

"And She Was" (1985) - Talking Heads



Deveria ter para aí uns 15 anos, andava eu com o meu Sony Walkman para todo o lado, por entre paragens de autocarro, a rebobinar e a rebobinar as irritantes (mas veneradas) fitas magnéticas da cassete, pois todo o prazer dependia do seu bom enrolanço! Não havia teclas de repeat (e o auto-reverse só veio mais tarde) e só duravam 30 minutos de cada lado (conseguem imaginar?!), outra ginástica rotineira de quem ouvia estes aparelhos caros. A fita gastava-se incessantemente com a utilização; quanto mais se ouvia, pior a qualidade de som que provinha da fita magnética. Isto numa cassete de Cromo, porque as de Metal só chegaram mais tarde (e eram muito mais caras), já com Dolby Sound, mas sem comparação com o som de hoje dos CD ou mesmo os Mini-Disc que lhes sucederam.

Tudo isto fica já muito longíquo, mas foi uma realidade para alguns jovens que, pode generalizar-se, mesmo para esses, suavam as estopinhas para possuirem um brinquedo destes. Provavelmente, ao nível de uma PS3 de hoje, com a diferença de que hoje pode encontrar-se uma Playstation em muitas casas de família 'economicamente pobres'. Outros tempos, outras expectativas. And she was.

Abanar a anca cinco minutos por dia nem sabe o bem que lhe fazia (XV)

Há coisas engraçadas. À época estas guitarras melodiosas, esta orquestração fantástica soavam-me irritantemente mal. Hoje tudo me parece tão bem...
Não sei bem se este será o vídeo original. Mas o que conta é a intenção. Pelo menos é o que dizem…

The Smiths - "There is a light that never goes out"

sábado, 25 de outubro de 2008

Provas de vida

É certo que nem sempre o trapézio da vida off-line permite a queda na Rede on-line. Contudo o Arcádia está bem, de boa saúde e recomenda-se.
Esta última foi o que simpaticamente fez na passada quinta-feira Paulo Pinto Mascarenhas (link) no "Plano B" do Jornal de Negócios (edição cujo "primeiro objectivo é ligar os leitores do Negócios aos melhores textos publicados nos blogues nacionais") a par de decanos como a Gotinha (link) ou os Marretas (link) e de consagrados como o Paulo Gorjão (link). Obrigado Paulo.

Aproveitando o facto de estarmos a falar da bloga duas curtas notas; uma amarga, outra doce.
O Corta-fitas, provavelmente o meu blogue preferido, desde há uns dias que está manifestamente mais pobre; quero todavia crer que se encontra apenas numa clara crise de crescimento - acontece aos melhores. Pela sua importância impar no panorama blogosférico luso, ao Corta-fitas (passe o dramatismo) nada mais resta do que tratar dos vivos e enterrar os mortos. Um abraço a todos os Corta-fiteiros.
Reparo agora que temos o nosso primeiro seguidor (uma qualquer nova função do blogger que sinceramente desconhecia). Na verdade não é um seguidor mas sim uma seguidora: a Sofia; que sempre tem tido o bom gosto de ser a primeira em muitas coisas e loisas arcadianas.